15 de out de 2017

ATÉ QUARTA SE EU ESTIVER VIVO

Até quarta que vem se eu estiver vivo. Foi assim que eu te respondi depois de você falar por noventa minutos, coisas que eu entendo, coisas que eu não entendo, coisas que acho bonitas, outras pouco possíveis. Citou Ana C. finalmente em sua aula de literatura brasileira VI, não? Que avanço; mas isso não me animou, só me lembrou que Ana C depois de publicar seus três ou quatro livros e fazer a maravilha de tese na cidade de Essex que você também vai usar como base nessa fase do curso, pois bem Ana C se jogou do oitavo andar aos trinta e três. Isso vem de Sylvia Plath, isso vem de muita gente, muita gente de saco cheio que não consegue tolerar tudo isso. Foi uma noite de muito questionamento, por isso não ouvi quase nada do que você disse. Disse a mim mesmo “pelo menos vá até o final desse ano, depois tire seis meses de férias dessa faculdade para pensar se ainda a quer”, mas eu nem sei se tenho forças o suficiente para vir quarta que vem. Já escrevi publiquei meus três livros, grávido do quarto e não, não vou fazer intercâmbio porque eu sequer tenho ânimo para ir esquiar em Bariloche, se quer saber; e quer saber, quer mesmo saber? Está para ser escrito um livro mais chato que Macunaíma, com aquela adjetivação extrema irritante. “Não se forma em letras sem ler Macunaína, gente” disse um professor gordo no terceiro semestre, assim como o Caetano Veloso sósia que me dá aula agora diz que não se deve se formar em letras sem ler o tal Grande Sertão e. quando penso na grossura daquele livro, tudo o que consigo pensar é arremessar ele na cabeça do Antônio. Se eu sobreviver até o final dessa matéria, não espere de mim mais do que ver o filme, em cores, com o Grande Otelo, que vou ver no youtube, não vou gastar R$ 17,50 para ver na mostra internacional de São Paulo deste ano, pois essa mostra é um dos raros momentos de lazer e prazer na minha vida. Aliás ainda estou esperando minhas notas dos breves relatos que fiz sobre filme e livro de “Vidas Secas” e sobre “Deus e o diabo na terra do sol” e Grande Sertão: Veredas. Breves relatos que fiz sem ver os filmes inteiros se você quer saber. Sabe por quê? Porque o cinema está tão enraizado no meu coração que eu poderia escrever sobre um filme vendo apenas uma cena, comparar com o livro lendo apenas um trecho, eu posso ter um cérebro pequeno, mas tenho um coração grande e é isso o que falta nesses cinzentos corredores do curso de letras da universidade de São Paulo. Quero ver, quero só ver a nota que mereço por isso.

Agora acabou, não é? Acabou o micro hype da menção honrosa que recebi do programa nascente da usp pelo meu romance “Drag por drag”, que já considero mudar o título para “Igor na chuva”. Escolhi a paciência dessa vez. Mandei para dez editoras, o Santiago está lendo, o Marcelino não quis ler, até para a Patuá eu mandei. Dois anos, se eu implorar bastante eu consiga publica-lo em dois anos por uma editora que o respeite. Não que não seja respeitável uma auto edição, como Ana C já fez, como Rimbaud já fez, como o próprio Mario de Andrade fez mas. Uma auto edição agora parece amarga demais, parece um atestado de derrota. O pior é que o livro é bom pra cacete. É comercial ainda por cima, é emocionante, é movimentado, flerta com literatura fantástica e não é livro de gênero, é literatura humana, vai de encontro a qualquer ser humano. Em dois anos também pode haver outros prêmios, outros editais, outras pessoas para conhecer e pessoas para conhecer o livro, eu tenho apenas trinta e dois, sou um escritor jovem ainda e sim. Posso fazer outra sinopse para o livro, outra bem melhor e Ah sim! Este ano ainda tem o resultado do prêmio Paraná de literatura em dezembro. Não acho impossível, só acho bem, bem difícil.


Quando o vento sopra

E o céu está escuro

Quando anseio

Por ver você

Quando o vento sopra
E eu me sinto triste

Penso na sua beleza

Será que está bem?

Você vive feliz?

Consegue ver o meu coração?

Por que minha mente

Ficou nesse estado?

Consegue ver meu coração?

Por que minha mente

Ficou nesse estado?


Canção cantada pela personagem Yonguee, no filme “Na praia á noite sozinha” de Hong Sang-Soo (Kor, 2017)

Agora acabou, não é? Estou pensando em não ir á terapeuta na segunda-feira porque estou com vergonha de contar pra ela do meu fracasso. Desde maio esse sofrimento, não? Estamos em outubro. Eu sempre lá manifestando meu amor e você sempre me dando falsas esperanças mesmo nunca querendo nada de mim, além de encontros sexuais em cada dois meses, no máximo. Em dias de semana, claro. Nunca fui bom ou bonito o bastante para te ver em um sábado, para ir ao cinema com você, para conhecer seus amigos, não; antes eu servia para te dar sexo e te esquentar em uma noite de quarta-feira a cada dois meses, mas agora nem pra isso eu sirvo mais. Agora você inventou uma desculpa para eu nem poder ir á sua casa, não? Agora nossos encontros serão a cada dois meses em um dos vestiários escuros do IQ, não? E depois? Vai evoluir a quê? Não vou servir pra isso também? Depois o que vai acontecer? Vamos nos encontrar a cada três meses na porta do IQ para eu engraxar seus sapatos? Agora acabou, não é? Espero que você não se arrependa por não ter tido a vontade de ter algo sério comigo, porque você não vai mais falar comigo e nem me ver, nunca mais. Você é a pessoa mais sonsa e sádica que já conheci e talvez você não tenha tido culpa. Você não é obrigado a me querer e talvez você nunca tenha me dado expectativas, eu é que me dei. Ás vezes, tudo e apenas o que precisamos é de um tapa na cara pra acordar, sabia? E você não quis me dar esse tapa, me deixou nesse estado por cinco meses. Acho que a fluência de imagens do cinema também ajuda com os flashes da vida para lembrarmos o que é ruim e o que é insignificante. Ao desistir de você, achei que não iria treinar no final de semana, que ia ficar jogado na cama, que ia trabalhar na semana que vem como um robô e todos perceberiam que haveria algo de errado comigo, mas tudo bem, a experiência dura noventa dias, há tempo para tempos ruins e daí me veio a imagem dos porres do meu ex-namorado, o quanto ele se comportava como um bebê e eu tinha de cuidar dele, lembro dele mastigando aquela droga daquela pizza barata me encarando, me desafiando enquanto eu fazia menção de cheirar cocaína na frente dele porque isso o irritava. E o que eu tenho agora é a minha liberdade. E pensei que não há porque deixar de ir ao treino e ficar jogado na cama por causa de nada. Afinal, eu sequer tenho um homem. Se você tem um homem, você fica jogado na cama por causa dele e quando você não tem um homem? Vai ficar jogado na cama por causa do quê? Fui treinar hoje e foi um treino duro. Meu corpo está bonitinho, consegui lançar o dardo a 35,55m, mas preciso me dedicar á base, perder um quilo de gordura localizada imediatamente para aí sim ter um homem? Daí não vieram imagens do cinema, vieram canções; Jeff Buckley agonizando “It’s you I been waiting my life to see? It’s you I been waiting my life to see?” (Jeff morreu afogado no Mississipi aos 27 como todos sabem) ou Bowie cantarolar, Bowie sobre o que eu acho sobre meu homem, onde ele está: “There’s a starman waiting in the sky / He’d like to come and meet us / But he thinks he’d blow our minds / Let the children lose it / let the children use it / Let all the children boogie / lá lá lá lá… lá lá lá lá…


XOXO

2 de out de 2017

LAMBENDO METAL

No último dia 29, meu romance inédito "DRAG POR DRAG" foi premiado com menção honrosa no prêmio "Programa nascente" da USP, prêmio esse que premia trabalhos de estudantes da USP em sete categorias de arte e que é muito tradicional no meio acadêmico. Foram 270 textos inscritos, 2 vencedores e 15 menções honrosas, inclusive para o meu texto, confira os resultados no link: http://prceu.usp.br/nascente/vencedor-de-texto-2017/. Estou muito feliz pelo meu "dragão", como chamo carinhosamente meu livro, esse é mais um passo rumo a sua publicação em uma jornada tão difícil quanto a do meu protagonista, o ansioso Igor, que atravessa a cidade de São Paulo em um caos dramático e fantástico de chuva rumo ao seu terrível objetivo do dia. Inicio aqui a campanha "adote um dragão", se você é um editor, adote um dragão ;) Confira abaixo a sinopse e o primeiro capítulo na íntegra!


Drag por drag” Hugo Guimarães.

SinopseChove no mundo inteiro sem parar há dez dias. Igor enfrenta o caos e arrasta um martelo de arremesso pela cidade de São Paulo, da Vila Mariana até a Universidade de São Paulo para um acerto de contas com a sociedade e com ele mesmo. “Drag” significa “arrastar”, significa “atraso de vida”.

***

“DRAG POR DRAG”
Hugo Guimarães

***

Essa obra foi livremente baseada no livro “O Maravilhoso Mágico de Oz”, escrito por Lyman Frank Baum, publicado em 1900.

***

Este livro é dedicado para a morte, homem; essa é a garota.

Eu ainda vou escrever muitos livros. Nenhum deles é para você.

***

Imagem de um martelo de arremesso.


Martelo de atletismo de bronze 7,26 kg 110 mm para lançamento. Pode ser usado em competições e treinamento. Cabeça com diâmetro de 110 mm com acabamento rígido de bronze (resistente à ferrugem) e núcleo de chumbo, peso e diâmetro precisos, formato esférico, equilíbrio perfeito e superfície totalmente lisa. Cabo de aço galvanizado com 3,2 mm de espessura e 987 mm de comprimento. Empunhadura curvada com suporte e anel de aço e apoio de mão de alumínio. Peso total (incluindo cabo e empunhadura): 7,265 a 5,285 kg.

***

CAPÍTULO UM / Lambendo metal


Sou o último homem de uma geração de homens e eu não me importo. Só consegui pegar no sono ás sete da manhã devido ao ódio. Só ás dez eu consegui finalmente me arrastar para fora da cama. I can’t go on. Can’t go on. Everything I have is gone. Stormy weather. Stormy weather. Stormy. Stormy[1]. Inverno de país tropical tsc tsc. As orelhas da gata e meus pés evoluem a esfriar noite adentro. Tão repentino é como vem o frio. Ei, por que você não cobre essas orelhas, gata? Vá, me deixe cobri-las com o cobertor, não seja tão difícil, tão vaidosa. Por que gatos evitam os cobertores? Por que apenas deitar-se sobre um corpo é suficiente? Muita sorte, muita sorte que meu martelo de arremesso pesa sete quilos e duzentos e sessenta gramas, muita sorte. A sorte é que eu não me deito toda noite em uma cama de madeira, mas em uma cama macia. Desta forma, o martelo não vem rolando até a minha cabeça, pois ele descansa na maciez, sabe? Se fosse uma cama de madeira, teria eu um problema; desde que me viro para a direita, esquerda, para cima e para baixo e mesmo assim a gata que pesa oito quilos mantém-se por cima de mim seja qual for a posição em que me mudo, me aquecendo tanto a gorda peluda – daí com todos esses movimentos o martelo rolaria contra a minha cabeça (Sim, eu durmo com o meu martelo). Corpo tão quente e orelhas ainda tão geladas, é muito desproporcional ao ser humano, desisto de entender gatos, mas. Devo assumir que o que de fato tirou meu sono foi o ódio, o ódio que eu sentia. / .

Deve estar muito frio lá fora, meu quarto virou uma sauna natural, nunca abro as janelas. Não abria tanto antes e não abro desde que a chuva começou. Tão longas chuvas. Vivo em uma cidade onde chuvas de dez dias seguidos acontecem (Não como essa, que já duram sete, chovendo vinte e quatro horas). Desconfio ter algo em mim que quer mudar para Lima, mas não o faria porque lá está cheio de peruanos. [deus. Ó deus e. E se essa chuva não parar nunca como andam dizendo? Lima é tão alto, não? Lima fica nos Andes ou fica ao nível do mar? Deus... A coisa é que teremos que nos tolerarmos lá em cima nos Andes. Deus... Logo não haverá mais vazão para tanta água em cidades a setecentos metros acima do nível do mar como essa que estou. Fingir é uma tática? E se eu encontrar os mesmos peruanos lá em cima? Os que eu tive desavenças recentes? Ei, o que você está fazendo em nosso país seu xenófobo de merda? Por que não tenta sobreviver na sua cidade amiga dos gays, amiga da assepsia, em uma boia colorida com cabeça de girafa? Seu veado de merda!] Uau! Que pesadelo. Mantenho as janelas fechadas por causa das suas orelhas geladas, amada gata. Preocupo-me também que fique toda gelada. Passo quase o dia todo fora de casa. Obrigado. Eu sabia que você entenderia por você me dever tanta gratidão por eu ter tirado você de um orfanato, você se lembra? hehe, é o que eu sempre lhe digo quando você me olha com essa cara turrona. “Eu vivo há tanto tempo com você porque você não sabe falar”. Hehe, pensei até em te homenagear no Facebook com essa frase e um retrato seu mas. Ai, o feminismo... Pensando que você é uma fêmea, minhas amigas feministas me chamariam de misógino, iriam facilmente concluir que quis dizer que todas as fêmeas passam melhor caladas. Um equívoco. / .

Quer? Você quer saber o que eu tenho a dizer sobre mulheres? É que gosto de homens, homens, homens. Deus ó, homens, homens e homens, pois. Uma nuvem escura do meu tamanho flutua aqui sobre mim nessa cama. É o que minha tia bruxa (ou médium) diz sobre as más energias que me mantém muito tempo na cama. É como se o carma, a paixão, o sentimento. A nuvem é uma forma física da minha pessoa sonhando, não subtraindo, mas dando energia para seguir na cama, esfregar as mãos e as pernas nessa cama sem lençóis. Até quando vai continuar esse sonho? Fui eu, fui eu uma má, uma má feminista na passada vida? Esse carma. Eu sonho acordado, é o pior jeito de sonhar. Mencionei que não tenho sorte? Sorte com homens? Vá facilitar a loucura, digo a mim mesmo. Tome alguns remédios para o cérebro, abandone os remédios, retome, abandone de novo, e repita e ciclo – é um trator que não consegue empurrar tanto entulho, com tanta chuva. Ei garoto, preste uma breve atenção: dou-lhe um doce se você encontrar alguns pênis nesse exercício literário que faço. Sim, alguns pênis em perfeita ereção, é um jogo de adivinhação e. Bah! Desconsidere, essa camiseta cheia de esperma seco nessa cama faz com que ás vezes eu me sinta mais ainda cansado e humilhado como ao ser espancado por um homem gay passivo; e o agravante do mal estar de me encontrar dando uma bela lambida na cabeça do meu martelo coberto de bronze. É... Uma bela de uma lambida enquanto abraço o cabo do martelo. / .

Por acaso esqueci-me de mencionar a sujeira? Esqueci-me de mencionar o suor? Ou mesmo urina de gato? Claro, eu deveria primeiro revelar a febre, que passeia por mim durante a noite, e que também dificulta meu sono; creio que é a negligência á própria saúde, acho que é o metal, a contaminação que devo ter já sofrido por lamber a cabeça do martelo por alguns anos. Sim, pois eu lambo com tal força que me dê um gosto temperado aceitável do bronze, que me satisfaça, e me acalme. Por suar raiva, por sujar tecidos com pomada para acne mas. Agora sofro uma melhora, eu, a pele está mais calma, meu rosto está melhor agora. Sabia que o cheiro do seu suor é pior se você está sentindo raiva? A expressão “Suar raiva” vem disso, é uma cultura útil que aprendi com uma colega enfermeira. Eu sim. Eu suo muito raiva, mas ok. Faço isso muito na musculação, na pista de atletismo; de outra forma eu já teria me tornado um homem bomba se não suasse toda essa raiva por lá, aposte. Ok vá embora, homem. Vá embora, homem bomba. O homem árabe que esteve por ultimo na minha cama, nunca mais voltou, nunca conversou mais. Que bomba. Que descontentamento bombástico. Meu último namorado me disse sobre meu suor, mas só disse depois que eu o abandonei. É... Mesmo cheirando como um porco eu é que o abandonei, não o contrário. Talvez ele gostasse do cheiro secretamente. Gosto, opinião. Veja lá como os europeus cheiram tão naturalmente e está tudo bem, veja. Gosto. Outro dia, um rapaz começou a fazer sexo oral em mim; ficou lá por um tempo e cuspia, continuava e então cuspia de novo. Merda. Apenas pensei “Que bela merda”. Tentei depois empurrar minha espinha para baixo para tentar o self sucking mesmo sabendo que jamais consegui, para checar se o gosto era de fato tão ruim, pois que. Logo depois veio outro rapaz e ficou me fazendo sexo oral por meia hora sem cuspir uma só vez. Homens (...). Veja Drácula, amigo; suga sangue do pescoço e sai sorrindo, não? Homens.../.

Quando vou a um encontro sexual, eu normalmente não me banho, apenas lavo o pênis em uma pia. Assim como um homem. Assim como um hétero? Não, mas apenas como um homem. Qualquer homem. Eu não sou um homem? Imagine uma mulher negra, filha de escravos, na América dos anos de 1900, tentando participar de um movimento feminista argumentando “Eu não sou uma mulher?” com aquelas senhoras brancas de longas saias. Claro que ela é. É o mesmo que digo aqui. Eu não sou um homem? Um homem feio, mas ainda um homem. Veja: ainda sobre cultura útil, eu sempre respondo para a enfermeira com cultura inútil, sou o rei da cultura inútil hehe; Eu lembro que disse a ela sobre o processo de antropoformização, processo esse em que um animal tende a sentir-se e agir como se fosse um ser humano. Os veterinários dizem que é muito comum acontecer em animais domésticos que não tem contato com outros animais. Faz sentido ao que determinado animal desse tipo deve pensar “se só há seres humanos à minha volta, então eu também sou um ser humano!”. Eu não me comporto como um animal e não sofri o processo de zoomorfização, perdão lhe desapontar se você pensou que era isso que eu ia dizer na sequência. O que eu ia dizer é que sofri um processo similar quando fui aceito na melhor universidade do país, quando comecei a treinar atletismo por lá e por consequência conviver com garotos tão bonitos todos os dias: acho que passei a achar que eu também era um garoto bonito e, logo, ter “acesso” a eles. Apenas não, apenas não sei explicar, desde que sou um ser como o macaco e sim, eu vejo o meu próprio reflexo no espelho. / .

E quanto ao tempo? E quanto ao limbo, de novo? Costumo finalmente perceber que preciso sair da cama quando o telefone vibra. E ele vibra de prima quando é meu gerente escrevendo ou ligando. Quando estou na cama sonhando acordado, não consigo perceber que devo chegar ao trabalho no mesmo horário que os demais; juro, eu só percebo o prejuízo quando estou de pé e vestido, penso que é o estado de “pré-mania” como disse a psiquiatra por último. De pé e vestido para já começar o dia sentindo culpa, se o dia já não tivesse começado ruim por ter de acordar sozinho. Por que não? Por que não posso ter um comportamento romântico? Por que, querido amigo homo? É utópico demais o desejo de amar alguém? O desejo de ter alguém para conversar? Ter um e apenas um parceiro sexual? Ter ciúmes? É muito másculo, muito alfa, não? O problema, a doença do gay moderno e desejar comportar-se, parecer um homem hétero, certo? Ganhar belos músculos como um, vestir-se como um, esconder, tentar imitar com tal fala, conversa, para então não objetivar ser aceito por uma sociedade tal, conservadora, mas para ser aceito por outros homens gays. Essa lamentável doença também sintoma de safar-se, de agradecer a tal sociedade por não ser espancado, ou espancado até a morte apenas por ser gay. Você anda lendo muito Foucalt ou não anda entendendo muito bem o que ele diz? Ou só anda aos nervos porque um homem gay com uma atitude um pouco mais masculina que a sua não quer mais ir para a cama com você? Você é muito jovem? Anda se comportando como uma feminista genérica? Somos uma gangue? Todos os homens gays juntos formam uma gangue? Temos de comportar-nos igual? Onde está o raio da pluralidade? Veja quanta gente hétero, ninfomaníaca, que não almeja a reprodução, frequentam clubes de orgias. Eu quero ir. Eu quero ir para a orgia bissexual. Eu quero ir para o carnaval mas. Apenas até eu descolar um marido, ok? . / .

Morto de bruços, eu me viro, eu olho para o teto e quero morrer (como se não fosse melhor morrer de bruços). Acho que é aquele garoto. Por. Quando penso nele lembro que eu queria dizer olhando bem nos olhos dele: “Eu não acredito que só existem sete maravilhas no mundo”. Isso acontece depois de uma masturbação, a qual inclui o imaginário de sexo real com homens feios, com homens até bonitinhos e fantasias com homens realmente belíssimos como o sonho virando verdade. Imaginar para ajudar a imagem a se realizar, como o budista recomenda, não funciona. / .


[1] Trecho da canção “Stormy Weather”, escrita em 1933 por Harold Arlen e Ted Koehler 

XOXO

4 de set de 2017

WISCONSIN

I

I know I'm not a human being. But if I am just a correspondent, I should have a mission and what is that? Well guess I'm waiting my mission to be given to me. I dont have a soul and I dont know what a soul is. Meanwhile, while I dont go back to my planet, I prove ice cream I prove vodka even I proved enough ice cream I proved enough vodka. I earned a medal last saturday and no one on that stadium wanted me to earn it. Does that make me feel like I should consider the existence of things like god and justice? That I should believe that I'm into a painful and needful process for all the things I want and I dont have? Should I want something at all? Tomorrow I'll have a job interview and I have no fear because I have nothing to earn and nothing to lose.  Meanwhile it's Just a new day.

II

Minha consciência está limpa e as suas mãos estão sujas. Meus lençóis estão sujos, meu quarto caótico de tralhas. Vocês todos piás brincam debaixo das minhas longas saias como se eu fosse uma ruiva fascista do Wisconsin, como se eu medisse sete metros de altura.

III

“Descer”

Mãe olha para baixo e vê a barriga murcha
O bebê se foi
O príncipe se foi

Fui dormir príncipe
Acordei uma pedra de gelo
E desci pelo ralo.


“Rosa”

Meu cérebro é rosa
Meu pulmão é rosa
Só o pó é preto
Só meu sangue é preto. 

(Hugo Guimarães)


XOXO

31 de ago de 2017

O QUE VOCÊ VAI DIZER

o que você vai dizer quanto estiver olhando bem para a cara dela?
a primeira questão é que o dia quatro de setembro chegou.
que não deu certo até então aquele outro emprego que eu pleiteava
que há uma bela chance de eu voltar para a casa da minha mãe
que estou de saco cheio de que nada dá certo
claro, há algo "travando" a minha vida, não é mamãe?
é o diabo, não é?
você não diz, mas você pensa, não precisa dizer
é só eu me converter á sua religião que tudo passa, não é?
que sim, voltaram na quinta-feira as ideias suicidas
tinham parado quando aumentei a risperidona para 2mg/dia
mas voltaram
sempre voltam
vai me perguntar por quê?
por que quero morrer?
dãããã porque o mundo não precisa de mim e eu não preciso dele, oras.
o gosto da derrota do amor romântico ainda está na minha boca, mas
não tem nada a ver com isso
o ruim mesmo é aceitar minha idade, aceitar quem eu sou,
ter a vertigem de que o futuro diminui cada vez mais a cada dia com uma velocidade que o faz praticamente inexistir.
dar a gata, emprestar a gata, afogar a gata, não importa
isso é com a consciência de vocês
isso é com a capacidade de vocês dois deitarem a cabeça no travesseiro bem com isso.
eu já estou de saco cheio da minha vida
e eu sei que morrer é possível.
imagino ao voltar para casa de madrugada que.
eu poderia ter nascido em uma dessas casas
deste bairro
por outra família
daí você não seria o artista hugo guimarães que você é
dããããã grande coisa (risos)
eu trocaria meus cinco livros (três publicados e dois inéditos) por uma vida feliz
isso se meus livros fossem moeda de troca
mas não são
eles não valem nada.
aliás, guarde pra você o que você tem a dizer deles, dos seus livros
porque ninguém vai perguntar nada
nunca
e dê aí um bom motivo para continuar a jornada, continuar a vida
ter uma entrevista de trabalho amanhã logo cedo?
escrever mais livros?
ganhar mais medalhas naquela palhaçada de esporte universitário?
spare me, bitch.

bom, agende a sua próxima consulta com a recepcionista lá embaixo, tá?
um beijo.

XOXO


19 de ago de 2017

STROOPWAFELS

“Stroopwafels”
Hugo Guimarães

Onze de julho, terça.

Hey estou aqui. No horário. Primeiro dia no emprego novo. Escritório muito bem decorado. Miscreation I still love ya.
Decidi morrer durante o almoço mas. Mama passou por uma biopsia no seio e terá problemas para organizar o velório, então decidi esperar mais alguns dias.
Eu ia para a casa dela pegar meus remédios para a bipolaridade que esqueci lá, mas desisti; por problemas de locomoção e por indisposição causada por desordem mental.
Meu pai veio até a estação de metrô perto de casa e trouxe os remédios, uma bela atitude.
Ao invés do suicídio eu decidi fazer um corte de cabelo novo para parecer mais bonitinho.
O espelho me mostra que perdi minha beleza rápido demais se eu olhar três anos para trás.
“Nada, só estou olhando sua beleza” Miscreation disse três meses atrás no quarto dele quando me levantei, olhei para ele e disse “que foi?”
Talvez meu cérebro doente seja quem está sugando minha beleza; minha intensa tristeza.
Minha gata não tem tido problemas para se acostumar com a casa. Eu sim. Chorei duas noites seguidas. Em silêncio.
Não consegui ir treinar nem ligar o computador. Apenas deitei cansado pelo trabalho e pela tristeza, pela falta da juventude e pela falta dele.
Ontem de noite pensei em publicar na rede social a frase “Tenho um amigo novo e o nome dele é ~daydream nation do sonic youth~”, mas é melhor parar, parar de mostrar tanta tristeza.
Dei uma curtida em uma bobeira que ele postou na rede social porque ele curtiu a minha mais recente criação literária no meu blog.
O garoto sexy ao extremo que mora no quanto em frente ao seu jamais vai te foder, não importa o quão doce você se mostrar mas, na verdade: eu nem me importo.


Doze de julho, quarta.

É bobo perguntar a ele se devo ou não devo fazer. É bobo pergunta qualquer coisa agora.
É melhor aguentar. “Aguenta” – assim como um garoto dominador entra em uma relação sexual em uma casa de orgia para conduzir a cena. Apenas aguente.
É importante o que você está fazendo. As pessoas vão dar crédito para a sua personalidade quando você o fizer. Veja o que aconteceu a Kurt Cobain. Claro que não estarei aqui para ver o crédito, mas o fator é que isso não é um fator. O fato, o fascinante fato é que estou fazendo as malas para uma viagem incrível: morte.
É mais inteligente do que esperar pela sua morte para eu me sentir melhor, ou matar você.
Mas quando eu me decidir sobre isso, eu penso em fazê-lo depois do trabalho, depois de descansar meu corpo em uma cama, onde meu corpo inteiro chora menos os olhos.
Logo, penso que não desejo morrer, desejo apenas descansar e descansar para sempre se não posso ter você.
Depois de comer alguns biscoitos eu disse “pare”. Cale a droga da sua boca. Não diga mais nada sobre ele. Deve passar. Deve.
Apenas publique algo depois que passar, quando você estiver hábil a não falar sobre ele.
Tudo sob controle aqui. Cheguei na hora pelo segundo dia consecutivo em meu novo trabalho; ás oito, bichas!
Um corte de cabelo ou lançar dardo?
Lançar dardo ou um corte de cabelo?
Ainda decidindo sobre o que vou fazer de noite.


Treze de julho, quinta.

Se a morte é uma viagem, a vida também é uma cheia de sensações.
A vida seria muito chata se você tivesse tudo o que quer.
As sensações da viagem da morte são até então desconhecidas.

gotta devil's haircut in my mind
gotta devil's haircut in my mind
yeah
eu não quis apenas comentar sobre o que eu fiz na noite passada ao cantar o refrão de “devil’s haircut” do Beck, do álbum “Odelay” de 1996. Quis dizer que eu faria o mesmo se fosse ele. “Odelay” é um disco alegre e muito louco, enquanto todos estavam esperando que o Beck fizesse um álbum triste e introspectivo naquele momento porque um monte de gente perto dele tinha morrido. Daí ele apareceu com o “Odelay”.

Com o meu corte de cabelo diabólico, tirei uma nova foto de perfil para o facebook. Uma foto de escritor, não uma foto de body builder como as que tenho tirado há tempos. Quatro dias de descanso não me causam nenhum medo sobre voltar a treinar fora de forma, ao contrário – me causaram uma sensação de renovação do meu pé direito que estava doendo muito.




Mesmo com gripe, eu quero dizer que a vida não é pior sem você, babe. Emergi um pouco diferente nessa manhã. É, cheguei aqui ás 7:47 da manhã. A gripe vai desaparecer amanhã, quando eu completar dois dias de treino duro e uma semana no meu emprego novo e na minha casa nova. Daí eu vou beber uma Faxe azul como eu costumava fazer em todas as sextas-feiras. Não beber muito, só uma Faxe azul para celebrar a noite da sexta-feira. Talvez algum sexo talvez não, mas eu sei que isso não é lá importante desde que eu tentei trazer de volta a vida um assunto que nem mesmo quero falar: amor.


Quatorze de julho, sexta.

Aqui no horário de novo, bichas. Pela quarta vez seguida. Em uma cidade que chamam de Los Angeles brasileira (estou falando de Alphaville), mas se você não mora aqui, só trabalha por aqui e não tem acesso aos chiques condomínios fechados, ela não passa de algo como o centro de Jakarta. Aqui e de mostarda, bichas. Sei que todos que veem essa camisa que visto hoje, veem a cor laranja, ok mas. Só quero dizer que é um puta bom gosto essa camisa.
Ontem de noite voltei ao treino de dardo depois dos quatro dias de descanso para o meu pé e para o meu cérebro. Bem, não foi fácil sair de lá com lançamento de 36,60m para a minha história. Ontem de noite fui Greta Garbo e não liguei para apps ou chuveiros de vestiários, só queria ir para casa dormir para chegar no horário no escritório no dia seguinte, como de fato fiz.
Eu chego na pista e todos a deixam. Os físicos, os arquitetos e os médicos. Todos vão embora quando eu chego. Sei que eles foram embora apenas porque era a hora deles de ir embora, mas é uma alegoria que me traz uma imagem de sofrimento, entende? Disse a mim mesmo “isso é sofrimento, bebê – aguenta”.
Eu apenas quis ficar só porque não adianta sofrer porque ele não me quer, não vai me trazê-lo de volta sofrer. Sei que não é minha culpa me apaixonar, mas eu também sei esse amor está ficando fraco todo dia mesmo que eu ainda pense muito nele.  
A filosofia da noite foi: um homem não precisa ser didático para lhe dizer que não te quer. O silêncio basta e você sabe disso, mesmo porque você mesmo o fez muitas vezes. Foi o que Miscreation fez, disse com silêncio o que eu queria que fosse dito de outra forma, mas no final a resposta é a mesma, ele não me quer. Por curiosidade e um pouco de ócio na tarde passada, eu estava checando e-mails velhos que eu escrevia para o Harry Pottter do parque dom Pedro, dizendo que eu o amava que precisava dele. O quanto eu queria aquele sanguessuga vulgar e o quanto eu me sinto tolo por ter escrito aqueles e-mails meses depois e vou me sentir assim também daqui a alguns meses sobre o que escrevi para o Miscreation. Mas o mundo também dá suas voltas e o mundo é um filho da puta. Eu lembro de um certo lituano que me apaixonei aos dezoito e que me descartou como lixo. Quatro anos depois eu o encontrei pelo destino, ele com dez quilos a mais e dez mil fios de cabelo a menos e daí foi a minha vez de usa-lo, cavalguei sobre ele duas vezes e o descartei. Também me lembro de um cabeleireiro de Moema, que também me apaixonei por anos atrás, e o encanto acabou quando eu o levei para a casa dos meus pais: o desencanto da zona leste. Hoje, agora que eu pareço um homem, tenho jeito de homem, agora que estou gostoso e tenho o corpo todo musculoso, ele vem me incomodar em apps fingindo que não se lembra do que aconteceu no passado, mas eu lembro e é a minha vez de ignorá-lo. Essa é a vida, bebê.

Adaptação na realidade:

Ao invés da camisa mostarda, eu declinei para a minha camisa azul de manga longa mais quente que tenho, e ainda uma camiseta debaixo dela, e meu casaco mais quente por cima disso tudo porque passei boa parte da noite tossindo muito por causa do frio e da gripe que piorou depois do treino outdoor de ontem á noite sem roupa térmica. Hoje tenho planos de declinar do treino de salto triplo e substituir por um treino de musculação dentro de uma academia bem quentinha. Daí sim eu vou para casa beber minha Faxe azul e não pegar uma pneumonia. Amanhã, debaixo do sol de sábado, sei como juntar dois treinos de salto triplo em um, como já fiz outras vezes e penso que é a melhor forma de ajustar o treino devido ao clima muito frio.


Quinze de Julho, sábado.

Não foi apenas uma Faxe ontem á noite.
Primeiro pensei que sexo fosse uma necessidade fisiológica e daí eu passei a questionar se realmente é.
Aconteceu um pequeno desastre, uma pequena devastação.
Não fui treinar ontem e não vou hoje.
Isso é sofrimento, bebê. Aguenta.

Vou ao cinema de noite, mas não vou matar minha mãe antes.
Brincadeira.
Preciso fazer coisas assim, como ir ao cinema.
Vou treinar amanhã e depois dessa desastrosa semana de treinamento, ficarei feliz se eu conseguir aterrissar na caixa de areia fazendo um salto triplo da tábua de onze metros.


Dezesseis de julho, domingo.

Fiz. Vi dois filmes no cinema e comi dois hambúrgueres do mcdonald’s. Preciso ser feliz, preciso ficar feliz, gente. É muita má energia para a minha gata absorver, coitadinha.
Ok, dormi demais e não consegui ir á USP fazer a série C do treino de salto triplo ou ir á academia, mas é ok dormir, e passar mais tempo na cama com a minha adorável gata e. Como um gato eu posso sempre improvisar: vou ao Ibirapuera de noite fazer a série E de salto triplo (para a qual não é necessária uma caixa de areia) e posso aproveitar e fazer exercícios para as minhas costas, os bíceps e os tríceps usando aqueles aparelhos públicos que tem no parque. Vai ficar tudo ok.
Pensei em desistir por um momento, mas não vou desistir das minhas stroopwafels.
Liguei para a minha mãe e ela está bem, ela passou por uma biopsia em um dos seios, mas se recupera bem, vai até voltar a trabalhar semana que vem.
O proAC abriu editais para criação literária essa semana. Fiquei tão feliz, pensei que não abririam esse ano por causa da crise ou algo, mas abriram. Mais dinheiro (vinte e cinco mil reais contra os dez mil de 2015, quando ganhei), mas mais dificuldade dessa vez: das dez bolsas oferecidas, eu só posso concorrer a duas (para autores não estreantes domiciliados na capital), mas eu acredito, acredito muito no meu querido “Drag por drag” e vou começar a fazer meu projeto antes de ir ao supermercado comprar meias novas, antes de ir ao parque treinar.


Dezessete de julho, segunda.

Bem, também não fui ao parque ontem. Para me recuperar da gripe, da tosse. Estava frio e tudo virou desculpa para a minha preguiça. Passei o dia trabalhando no projeto para o proAC. Bem, estou aqui na Jakarta brasileira, cheguei cinco minutos atrasado e isso não soa bem. Recebi uma convocação de entrevista por e-mail e estou começando a achar que não ganho o suficiente para levar duas horas para ir e duas horas para voltar do trabalho. Vou voltar a mandar currículos para novas vagas.
Terei em mente que estive sem treinar por uma semana porque estive doente e porque eu tinha uma dor no meu pé direito, e que vou voltar essa segunda-feira e treinarei até sexta-feira todos os dias e assim terei uma boa competição no domingo.
Bem, acho que Miscreation é apenas alguém que só pensa em comida e que ele está saindo com um cara bem mais másculo que eu, mais alto e mais forte também. Então eu estava apenas perdendo meu tempo de fato. Não sei se sustentar uma paixão platônica pelo meu novo vizinho é bom ou não, mas é certamente melhor que um pé na bunda. Aliás, um amor platônico me afasta melhor de outros caras. Assim, quando eu pensar eu convidar um homem para “estrear” meu novo quarto, eu vou pensar no sorriso perfeito do vizinho novo e declinar. Acho melhor gozar com a minha mão no xvideos e continuar sonhando com aquele sorriso, aquela doçura e o quanto ele é lindo de pijamas.


Dezoito de julho, terça.

Mesmo em más condições eu consegui lançar o dardo a 36,53m na noite passada, sem problemas. Acho que posso ultrapassar a barreira dos trinta e sete metros na competição treino de domingo.
Quando estou tomando banho no vestiário do cepeusp, não sei se meus olhos estão molhados por causa do chuveiro ou se a água está vindo de dentro dos meus olhos.
Quando você estende uma toalha para secar as costas, parece que você está carregando uma bandeira depois de ganhar uma medalha para o país.
Fui á uma feira comercial ontem. Bruno, o gatinho Bruno me deu uma carona até a pista depois da feira e aquilo me disse que eu deveria ir treinar ao invés de ir para casa, eram os planos que eu tinha durante a feira.
Ao atravessar a ponto da cidade universitária eu encontrei o veterinário wannabe gatinho, meio alemão meio japonês, ele me deu dois beijos na bochecha, que doce...
Eu ainda sinto aquele vazio, sozinho na pista, como se eu estivesse esperando alguém me passar uma mensagem por celular, mesmo eu sabendo que ninguém iria. Depois fui pra casa sentindo culpa por “fazer o que estou fazendo”. Não estou praticando assassinato, tortura, auto tortura, roubo, perseguição nem nada disso. Eu estou indo a trabalhar de manhã e indo a treinar de noite, é o que estou fazendo.
Em casa eu estava tão cansado do treino. Mesmo assim assisti 1:25 horas do Melancholia do Lav Diaz e fiz uma boa parte do meu projeto para o proAC, mas acho que só vou conseguir retomar essas duas atividades no domingo, por estar cansado demais durante a semana.


Dezenove de julho, quarta.

O dia mais frio do ano nessa cidade me impediu de ir ao treino ontem, mas ok. Eu tinha uma folga programada para quinta-feira e apenas a tirei antes.
O livro deve morrer assim como o homem deve morrer. O livro é bom, o crime é lindo, mas a motivação é tão fútil, então é melhor deixar o livro desaparecer dentro do blog.
Meu crush platônico chegou em casa ontem com uma garota, garota, garota. Eu deveria saber – ele é hétero e se é gay, me odeia.
Comprei sabão em pó, lavei roupa, mas não comprei meias, mas irei.
Tirei a noite para continuar meu projeto para o proAC, e acho que estou fazendo bem.
“Hello Johnny boy”, assim começa “Shatter”. Terminei o dia ouvindo a versão demo da canção “Shatter” da Liz Phair, a qual eu passei o dia anterior tentando entender o significado do título.
A canção diz “But something about just being with you/ Slapped me right in the face, nearly broke me in two”.
Hello Johnny boy, bye Johnny boy, apaguei a cara dele da minha rede social e dessa vez para sempre. Eu não quero que ele me veja morrer e eu não quero mais ficar vendo sua extrema felicidade.
Os canais do tempo mentem. Três graus a menos do que eles previram é o que temos, e daí esta noite talvez faça nove ou dez graus, mas eu vou treinar mesmo morto!


Vinte de julho, quinta.

Hoje eu quero falar de fé, bondade e sorte;
Após o meu treino de ontem á noite, eu disse a mim mesmo “se eu acreditasse em um deus, eu colocaria uma moeda em seu altar essa noite”, por eu ter conseguido fazer um treino de salto triplo muito bom depois de doze dias sem saltar por causa da dor no pé. Saí da pista com um salto de 11,59m acreditando ser possível fazer um salto de doze metros na competição de domingo.
Quando eu estava na esquina de casa, porém: sofri uma tentativa de assalto. Reagi a despeito de que sei que não é a coisa certa a se fazer. Um carro parou do meu lado e um homem desceu e me atacou, agarrou meu braço, mas eu reagi, gritei com ele, soltei meu braço e corri o mais rápido que pude com meus sapatos sociais muito desconfortáveis. Quando cheguei em casa, meu joelho direito estava inchado e meu joelho esquerdo doía muito.
Não consegui acordar para ir trabalhar hoje. Perdi a hora de acordar e nem me importei. Apenas não pude ir, fiquei na cama. Quando acordei, fui checar minha conta bancária, fui ao KFC e comi seis dos oito pedaços de frango que comprei. Ao invés de jogar os dois que sobraram no lixo como sempre faço, pedi para viagem e dei a uma mendiga na rua.
Comprei três pares de meias.
Quando voltei para casa, alemães me ligaram me convidando para um processo seletivo de um novo emprego. Fui lá fazer testes de idiomas e uma entrevista no RH da agência de empregos e se eles gostarem de mim, vão me mandar conversar direto com os alemães na semana que vem. O salário é bem mais alto do que o que eu tenho agora, o endereço deles é bem mais perto da minha casa.


Vinte e um de julho, sexta.

Aqui estou, queridos. No meu trabalho que me paga uma merda para não fazer nada o dia inteiro. Hoje registrei meu recorde de atraso: onze minutos. Não gosto de vir para a little Jakarta todos os dias, na verdade odeio esse lugar. Prefiro ir ao Morumbi todos os dias, onde os alemães estão. Esperando ansiosamente por uma resposta da agência de empregos sobre os testes que fiz e uma data para eu ir falar com eles semana que vem. Não vou mentir por aqui, vou apenas dizer que “preciso me ausentar por um período para resolver um problema pessoal” e isso é honesto, mais do que dizer que vou ao médico. Comi menos que 400 gramas no almoço hoje e é um bom começo de dieta. Também comi seis doces ao invés dos oito que costumo comer e é também um bom começo. Hoje á noite eu quero 11,80m da tábua de nove metros. E eu quero lançar o dardo o mais longe possível em quatro tentativas. Daí eu vou voltar para casa para checar se minha vitrola realmente voltou á vida (houve um problema elétrico em casa ontem). Ao invés do “Saló” da sexta-feira passada, eu provavelmente vou comprar duas Heinekens, trabalhar no meu projeto do proAC e terminar o dia assistindo mais um pedaço do Melancholia do Lav Diaz.


Vinte e dois de julho, sábado.

Bem, garotos: acordei ás cinco da tarde devido a uma tristeza incomum por causa da minha vitrola que não funciona, por eu pensar que estou preso em um quarto sem música, por eu ter bebido quatro cervejas ao invés de duas e por eu ter tido estranhos pesadelos onde eu perdia a minha gata. Também tenho uma pequena dor no meu joelho direito por eu ter conseguido o que eu queria na noite passada. Sim, a pista estava vazia porque estava frio e era noite de sexta-feira e todos os garotos e garotas tinham um lugar para ir ou alguém para encontrar e eu estava lá sozinho. Mas um salto de 11,84m me fez tão feliz que aceitei a solidão. Quero muito saltar tanto quanto e ultrapassar a barreira dos doze metros amanhã na competição, por isso que estou quietinho em casa com gelo no joelho ao invés de ir ao cinema. Toda a música que consigo ouvir vem do meu telefone e eu sempre toco as músicas do “Girly-sound” da Liz Phair e “Fuck and run” é ainda mais triste que “Shatter”, que eu sempre ouço enquanto coloco gelo no joelho. Pensei em mandar a música para o Miscreation, mas desisti bem logo porque seria muito ridículo. Vou passar o resto do dia descansando, comendo chocolate, trabalhando no projeto e é bom, bom passar o dia todo sozinho, sem olhar para a cara de ninguém.


Vinte e três de julho, domingo.

Na cama, vagando sobre o fato de eu nunca ter conseguido atingir meu único objetivo na vida, que é amar e ser amado por um homem: eu não acredito que vai acontecer mais, agora que já tenho trinta e dois; penso que a vida já se encerrou e o que eu tenho passado é algo como “pós-vida” e foi difícil dormir na noite passada.
Bem, acordei ás seis da manhã e fui fazer o que eu tinha que fazer.

Bem, um salto triplo de apenas 11,65m não era o que eu esperava, mas não foi lá tão ruim. Eu consegui acertar um dos quatro saltos que tive direito. Os ventos estavam fortes e inconstantes, o que arruína uma prova de salto horizontal. A despeito disso, pude melhorar minha marca em dezenove centímetros comparando com a etapa de abril dessa mesma competição, enquanto o melhor saltador da prova saltou trinta centímetros a menos dessa vez. Ou seja, eu consegui lidar melhor com as más condições do que um atleta melhor que eu ;)
No lançamento do dardo tive uma grata surpresa. Eu estava esperando lançar além de trinta e seis metros e se conseguisse, já sairia feliz da pista, mas então eu fiz um excelente lançamento de 37,98m, a segunda melhor marca da minha vida.
Bem, acho que estou pronto para pegar minhas stroopwafels daqui a três semanas.


Vinte e quatro de julho, segunda.

Bem, o fato de chegar á little Jakarta ás onze da manhã explica o que aconteceu quando minha amável vizinha me convidou para me juntar a outros roomates para tomar uma cerveja no quintal. É bom socializar, mas também é bom exercitar a habilidade de dizer “não” quando você tem de dizer não. Estou tentando parar com o álcool e estou um tanto quebrado.
O ônibus extremamente lento que me traz até a little Jakarta, me trouxe em uma hora e meia saindo do metrô Paraíso. Vim pensando, triste, que eu não gosto daquela casa, não gosto desse emprego, que sinto falta da outra casa que eu vivia, da varanda que eu tinha, minha gata gostava tanto da varanda e eu já mandei mensagem ao dono das casas que quero voltar para lá caso o inquilino que está lá agora vá embora por algum motivo. Não tenho ainda resposta dos alemães e são 11:50 da manhã agora. Ninguém dá a mínima sobre a minha competência de lançar um dardo a trinta e oito metros de distância. Ninguém do pessoal do atletismo curtiu meu post no facebook sobre o meu feito. Nenhum atleta e nenhum técnico. É a melhor marca da minha vida em competições e ela me faz o sexto melhor lançador de dardo da USP (incluindo as unidades da USP no interior do estado) e ninguém está nem aí, nem me estende a mão por isso. Vinte pessoas das artes e contatos diversos curtiram o post sobre a competição.
O proAC foi rápido e eles me mandaram um e-mail com meu login e senha para eu submeter o meu projeto.


Vinte e cinco de julho, terça.

Aqui de novo, cedo. Apenas dezesseis minutos de atraso ao invés de três horas. Mas ainda assim não gosto de atrasar nenhum minuto. Cheguei em casa ontem extremamente triste, mas finalmente em casa, subindo a escada dizendo a mim mesmo “eu ainda tenho essa casa que não gosto, eu ainda tenho esse emprego que não gosto”. Entrando no quarto, vi que minha vitrola funcionava, o locatário resolveu o problema elétrico e poder colocar um CD da Tori Amos para tocar me fez bem mais calmo enquanto eu comia meu jantar que custou cinco reais. Ao falar em dinheiro, achei dinheiro dentro de um DVD, tinha esquecido que deixei lá. Sorte, agora tenho dinheiro para passar a semana decentemente. Fiz minha inscrição para o proAC sem nenhum problema e tive um bom sono. Hoje de noite vou voltar a treinar. Eu tenho dor nos meus dois joelhos depois do esforço do salto triplo de domingo (a dor piorou depois do esforço daquele salto de 11,65m em que usei muita força, com medo de não alcançar a caixa de areia e tive que saltar da tábua de onze metros porque não fizeram tábua de nove). Cogitei em deixar de fazer o salto triplo definitivamente e focar apenas no dardo, mas agora que falta tão pouco para as minhas duas competições importantes de agosto, que acho que vale a pena lutar contra a dor e ter o meu lugar na convocação da Laausp do ano que vem na prova do salto triplo, eu trabalhei por isso e mereço.


Vinte e seis de julho, quarta.

"So fire up the batmobile / cuz I gotta get outta here"; "another day for me and you/ another day with nothing to do". 07:58 e cá estou para fazer uma marca azul no meu pré histórico cartão de ponto. Agora é só esperar passar as nove horas de inércia até eu ir para a USP fazer um belo treino.

Devo dizer que fui para casa ontem de noite. Andei por cinquenta e dois minutos para economizar o dinheiro do ônibus. Aconteceu que fiquei tão cansado que acabei desistindo de ir treinar, somando ainda o fato de que eu esqueci-me de colocar uma toalha na mochila. Nada disso importa. O que importa é que vim pensando na morte durante a viagem de trem. A amiga morte como menciono no meu romance inédito “Drag por drag”. A morte me consumirá, minha frágil vida pode ser tirada de mim em um assalto; a morte vai consumir você, Miscreation – você e a sua exuberante face, e o fato de você ter recusado passar mais tempo comigo, será apenas experiência já que a vida é apenas uma experiência, contudo, ao que eu me sinto como um espião ou um correspondente de outro planeta ou de outra dimensão, que estou aqui só experimentando, só observando. Estive pensando que a morte irá reduzir a sua exuberante face ao pó e isso é irreversível. Em casa, estive pensando nos motivos fálicos da Tori Amos: “Se eu morrer hoje, serei um fantasma feliz, vou á opera sem precisar pagar”.


Vinte e sete de julho, quinta.

Perdão por escrever um pouco tarde. São 6:45 da tarde e estou feliz em casa ouvindo o “Exile on guyville” da Liz Phair com uma caneca de café na minha mesa, visitando um site para procurar um quarto novo para alugar. Não,eu não fui á little Jakarta hoje porque os alemães me ligaram, sim. Estive lá ás duas da tarde e ás cinco da tarde me ligaram de novo para dizer que fui aprovado na dinâmica de grupo. Amanhã, terei a entrevista final com o gestor da área. Dedos cruzados. Disse á little Jakarta que eu estava doente e aproveitei a manhã para ir lavar meus ouvidos no hospital, eles estavam bem sujos; fui também para conseguir um atestado médico para abonar a falta, claro. Meu roomate feioso reclamou da minha gata, que fica miando do lado da janela dele e essa é só uma das razões que me fazem odiar essa casa. Também não fui treinar hoje porque estou com um pequeno resfriado do treino de ontem. O resfriado, o desconforto e o frio, me permitiram fazer um lançamento de dardo de 36,84m ontem de noite, o que não foi ruim considerando as más condições. Vou passar o resto do dia de hoje quietinho em casa, tomando antigripais, procurando um quarto novo para alugar e descansando.


Vinte e nove de julho, sábado.

Não consegui escrever ontem. Eu estava muito melancólico. Estive ontem na minha entrevista com os gestores alemães para o trabalho que quero tanto e não sei se eles gostaram de mim ou não. Eles tinham mais duas entrevistas para fazer depois da minha e no final do dia, eu não recebi a mágica ligação da garota da agência de empregos dizendo que fui contratado. Sei que a resposta só virá na semana que vem, pois eles teriam pouco tempo para tomar a decisão ainda ontem, mas ainda assim fiquei triste e com medo. Não consegui ir treinar porque entrevistas de trabalho me afetam muito a um ponto em que não consigo fazer mais nada depois de uma. Fiquei em casa ouvindo o Led Zepellin, tomei duas cervejas.
Estou feliz por não precisar de sexo hoje. Eu poderia ter ligado para o louro gato pra caralho que conheci no app e ir até a casa dele como planejado ontem, mas eu não liguei para ele e ele também não me ligou, e quer saber? Não faz a menor diferença para mim.
Mesmo tendo uma terrível semana para o meu treinamento, eu vou descer para a USP em alguns minutos para fazer um treino de salto triplo e daí irei para a casa dos meus pais para pegar alguns objetos que esqueci lá, e para comer.


Trinta e um de julho, segunda.

vide "VOCÊ NA TERRA".


Primeiro de agosto, terça. 

Algumas coisas acontecem comigo que me deixam envergonhado. Eu faço coisas que me deixam com vergonha de mim mesmo, que eu não digo para mim mesmo, então não faz sentido dizer para um diário.
Tudo o que eu tenho a dizer é que é noite agora. Trabalhei em um livro de contos muito velho, que comecei a escrever lá em 2011 e esse livro tem a comédia diretamente ligada á loucura como nenhuma outra coisa que eu já tenha escrito. A comédia está presente no post mais recente do meu blog. Talvez eu só precise rir um pouco. Rir.


Dois de agosto, quarta.

Minha idade de trinta e três parece mágica, a idade perfeita para me despedir. Eu sinto que houve grandes campos, oceanos e depressões como a Holanda na minha vida; e então eu entrei por um lindo labirinto e no final dele tinha um cubo mágico e, lá dentro eu tive o que procurei pela minha vida inteira. Agora, não há nada mais a fazer, nada mais para ver, nada mais para acontecer.


Três de agosto, quinta. 

É melhor ficar sem você e deitar na cama ou ficar sem você e deitar na lama? (isso ainda depende dos alemães que ainda não me contrataram)/ voltei para casa de noite filosofando/ minha vida não deu certo, eu só estou a sustentando porque eu devo gratidão à minha beleza? Minha beleza vai acabar vai virar pó cedo ou tarde/ treinei dardo duas vezes essa semana/ conto quatro sessões de treino até agora/ eu estava certo em parar de treinar ontem, consegui me arrastar até o fim do treino, mas não consegui me arrastar para o primeiro dia de aula/ hoje acordei e fiquei dançando no quarto ouvindo Rita Lee, feliz/ ando instável/ estou na sala de espera da minha primeira sessão de terapia/ fui convidado para treinar com a seleção de atletismo da USP pela primeira vez, mesmo com a minha ardilosa "suspensão" da atlética da FFLCH/ garoto me quer, garoto me quer não/ ao invés de ver tanta rejeição, achei melhor treinar de manhã, quando não tem ninguém, garoto nenhum/ acho que consegui um técnico, devo começar na sexta-feira que vem/ saberei sábado se poderei ter a honra de vestir a regata da Laausp pela primeira vez na terceira etapa do campeonato paulista universitário de atletismo no dia doze/ "decidimos desligar você, Hugo" ele disse e eu: "ah é? O que vão fazer? Me tirar da tomada? Sua bichona velha enrustida. Nothing even matters - to me”.


Quatro de agosto, sexta. 

“My new book is not a drag” hehe. Felicíssimo é pouco para expressar o que sinto por meu romance inédito “Drag por drag” ser eleito um dos finalistas do prêmio “Programa nascente 2017” da USP, os finalistas foram divulgados ontem: http://prceu.usp.br/nascente/finalistas-de-texto/ ; é o primeiro “selo de qualidade” do meu livro, o primeiro passo para a sua publicação, que desejo tanto/ conversando hoje de manhã brevemente com uma roomate, ela deu um exemplo da prova dos 3.000 metros com obstáculos, dizendo que obstáculos foram feitos para serem superados, pois são obstáculos, não são impedimentos. Serviu para começar bem o dia. Os obstáculos de hoje são: superar uma obsessão por um homem, conseguir competir na terceira etapa do campeonato paulista de atletismo no próximo dia doze (seja pela FFLCH, seja pela seleção da LAAUSP, seja de forma avulsa), manter a esperança de ser contratado pelos alemães, manter o treinamento de atletismo, ir á minha primeira aula de literatura brasileira VI e sobreviver.
(Sobreviver é a parte da corrida em que eu caio no fosso d’água)

Adendo á morte:
Hoje saindo do Santander para pagar a minha taxa de anuidade para a FUPE, vi uma pomba sendo esmagada por um ônibus na minha frente. Três pombas estavam tentando bicar algo no meio do asfalto, daí veio um desses ônibus silenciosos gigantescos. Eles são tão silenciosos que nem as pombas perceberam a chegada dele e, quando viram já estavam debaixo do ônibus; duas conseguiram escapar, uma acabou esmagada. Na faixa de pedestres pensei “são ratos voadores, mas coitadinha... Não tem culpa; mas não deve ter sofrido, foi tão rápido...”. Ao acabar de atravessar a faixa, pensei que podia ter sido comigo, que eu poderia ter sigo esmagado por um ônibus silencioso gigante em um segundo e pronto: não haveria mais tuna, não haveria mais fupe, não haveria mais paulista máster, não haveria mais briga com a atlética, não haveria mais Miscreation, não haveria mais produção literária, não haveria mais nada. Por isso que eu tenho que andar por aquela rua arborizada do lado da raia olímpica o máximo que eu puder, fazer o salto triplo e aterrissar naquela caixa de areia o máximo que eu puder, lançar dardos naquele gramado o máximo que eu puder, escrever o máximo que eu puder, superar decepções amorosas o máximo que eu puder, acreditar no amor o máximo que eu puder.


Cinco de agosto, sábado.

Minha sexualidade é um atraso. A homossexualidade masculina é inconstante, é inconfiável. É daí que nasce a minha frustração; pensei nisso hoje enquanto lançava dardos e lançava bem. Saí de lá com um melhor de 37,75m com uma leve queima, ultrapassei brevemente a linha branca, mas foi só em um dois oito lançamentos que fiz, estou preparado para a FUPE. Ele não é o que eu quero e eu não sou o que ele quer. Assim ficaram as coisas quando eu disse o que disse e ele não me deu outra chance. Poderíamos nos dar muito bem, eu poderia ser o que ele quer e ele poderia ser o que eu quero, mas não houve tempo. Assim como não houve tempo para o Jeff Buckley terminar sua joia de segundo álbum, morreu afogado no Mississipi antes.
O que seria meu primeiro treino com a seleção de atletismo da USP resultou em um cancelamento, mas via whatsapp o treinador me convocou para defender a USP na terceira etapa do campeonato paulista de atletismo que acontecerá no próximo sábado. Foi simples, não precisei brigar com ninguém. É a segunda notícia boa da semana. Semana que vem terei mais notícias boas, muitas. Ele falar comigo de novo, me ver de novo, definitivamente não será uma delas. É como eu disse, ficaram equívocos, não houve tempo de resolvê-los. E após fazer uma equação de quem anda o acompanhando por aí e a rede de amigos em comum comigo que essa pessoa tem, não é difícil fazer uma conclusão simples. Fracas, as relações homossexuais masculinas são muito fracas e mentirosas. Se homens heterossexuais são autênticos mentirosos, nós gays somos piores, muito piores.
Ontem eu fui á aula, eu me arrastei até a aula de literatura brasileira VI. Acho que nunca noventa minutos passaram tão depressa se tratando de uma aula de faculdade. Hoje fui ao sebo. Comprei seis cd’s e dois dvd’s. estou tentado a ir á sauna, para chupar o máximo de homens que eu conseguir, beber e cheirar cocaína, já que é inútil acreditar no amor. Porém, amanhã eu tenho um treino de salto triplo importante para fazer. O que é ótimo. Na maioria das vezes tenho de optar entre duas coisas que não quero fazer, nesse momento é o contrário. Vou continuar ouvindo o rock industrializado da Sheryl Crow aqui enquanto decido.


Seis de agosto, domingo.

Estou ok. Fui á sauna ontem. Fui penetrado por um homem árabe razoavelmente dotado que tinha uma atitude masculina bem louvável. Eu podia ter pegado o número dele. Não pequei porque não quis. Não quero problema com homens. Consegui mais algumas brincadeirinhas, gozei dentro da sauna. Fiquei um pouco na sauna para recuperar os músculos, já que paguei para entrar na sauna. Bebi pouco e, por sorte o funcionário que consegue cocaína pra mim lá dentro ficou me enrolando a ponto de eu perder a paciência e vir embora pra casa em plena onze da noite. Bom. Assim eu economizei o dinheiro da cocaína e o dinheiro do táxi. Mesmo assim eu perdi meu treino de salto triplo de hoje. Acordei tarde. Eu poderia ter até tentado, mas a linha amarela está fechada para obras hoje, os trens da CPTM também estão operando menos e eu teria de ir de ônibus. Um treino de uma hora ou uma hora e quinze seria pouco e achei melhor apenas postergar esse treino para amanhã. Hoje, ou vou ao cinema ou vou para a casa da minha mãe pegar a minha sapatilha com pregos nos calcanhares (para usar nas competições do próximo fim de semana). Eu me sinto confortável para lançar dardos sem os pregos nos calcanhares, mas um bom lançador de dardo deve usar pregos nos calcanhares, portanto eu usarei. Estarei representando a USP, não é qualquer competição.


Sete de agosto, segunda.

Fui comprar café solúvel, cream cheese, presunto e iogurte; a caixa do supermercado me disse “boa semana”. É exatamente o que pretendo ter. Veja o planejamento da minha semana, inédito nesse blog:

8





FUPE III
Paulista Máster

17
TJC+B
GYMN (PC)
rest
TJA+B
rest


19
(GYMN P/O)
JTA+B

GYMN (B/T/C)

21
LB VI
LBVI
07/ago
08/ago
09/ago
10/ago
11/ago
12/ago
13/ago


Se fosse combinado não daria certo. Fui saltar na mesma hora que o Emílio, saltador máster de nível mundial. Com ele, vieram o novo treinador da FFLCH, que o será por apenas dois meses até o Biffe. Ou seja, depois vai acabar o atletismo na FFLCH de novo e a equipe vai ficar sem treinar e competir até agosto de 2018. Aff. Com eles, também veio o técnico da seleção da USP, que me dirigiu a palavra pela primeira vez em quarto anos que frequento aquela pista. Fiz o treino com esses três experts apontando os defeitos do meu salto triplo (que são inúmeros). Acabou que o máximo que consegui fazer foi um salto de 11,91m. Mas dá uma sensação estranha saber que eu faço tudo errado no salto triplo, que tenho que praticamente aprender a saltar. E ainda assim, todo torto, eu competirei sábado pela seleção em condições de pelo menos superar os doze metros (o que me torna competitivo), com todos os problemas técnicos a melhorar...


Oito de agosto, terça.

“Fight back, Julien!” lembro daquela cena do filme “Julien donkey-boy” do Harmony Korine, cena em que o esquizofrênico Julien simula uma luta com o irmão wrestler; a irmã, vivida por Chlöe Sevigny fica gritando durante a luta “Fight back, Julien! Fight back, Julien!”. Fight back, Hugo.
Perguntei ao ninfetinho DM do atletismo da FFLCH, pela ultima vez, se posso voltar a treinar com eles, aproveitando que eles contrataram um puta técnico de salto. A resposta foi “não” e a minha réplica foi “ok, obrigado”. Portanto, agora eu tenho mais um motivo e motivação na minha medíocre vida, que é segredo até então, mas que saberei se terei sucesso no começo do próximo ano. Isso, somado ao resultado do premio Paraná de literatura, que sai em dezembro, me manterão vivo por pelo menos mais seis meses talvez.

1. posso prever você nervosa em um certo dia dizendo “você não disse que só voltaria para cá morto?” e eu vou dizer de volta “já me sinto morto há muito tempo”
2. não acredito que vou ter que lançar amanhã. Sim você vai lançar, vai saltar, vai escrever, vai observar a vida passar. Passar como uma doença, a doença passa.
3.
fale comigo, então
me salve desse inferno, irmão.


Nove de agosto, quarta.

Uma mulher grávida se suicida? Há relatos? Penso no meu livro inédito, que quero vê-lo, beijá-lo. Não foi só a Sinead O’Connor que teve um dia difícil ontem. Bebi, não fui fazer musculação, comi muito, estive muito nervoso principalmente por esperar pela ligação dos alemães, e que esse trabalho vai me salvar de voltar de novo para a casa da minha mãe. Sei que vão ligar, já prometeram que vão, mas ontem foi um dia horrível. Desde ontem á noite estou ouvindo o meu vinil do “The Lion and the cobra” da Sinead e eu nem tinha prestado atenção, ou lembrado que o disco é tão bom. A inquietação me fez passar uma mensagem ao Miscreation perguntado se nós podíamos voltar a conversar. Ele disse “sim, claro” com sua doçura de sempre, mas não tenho nada para conversar a não ser dizer para ele que quero ir para cama com ele de novo, que quero olhar nos olhos dele de novo. Mais do que isso: eu escrevi isso para ele hoje de manhã e bem provavelmente já arruinei essa nova “tentativa” ao escrever isso. Criei uma conta no Sarahah e, nessa mesma manhã alguém me escreve: “enquanto você morre de amores pelo mestrando em química, eu fico a me perder na possibilidade ilógica de te deixar mais tranquilo. Enfim, são coisas da vida...”. Sim, a vida é má. A vida na terra é má. E felizmente está com os dias contados.

Cheguei nu no quarto do banho e encontrei a gata esparramada no chão pedindo carinho. Eu que precisava, mas ela disse que também precisa, e que devemos ficar vivos um pelo outro. Desci para a USP com a mão cheia de merda da gata para jogar no vaso sanitário.

Consegui ir até lá e fazer o que eu tinha de fazer. Musculação de pernas e o treino base de dardo. Saí de lá com um lançamento de 37,82m, o que é bastante em um treino de base. Só o que me atrapalha um pouco é o garoto da FEA que está vindo treinar na mesma hora que eu. A beleza dele me desconcentra (me irrita um pouco, na verdade).
Ao sair de lá pronto para a competição de sábado e domingo no dardo, eu pude observar que o esporte não me deixa mais calmo e não me deixa mais feliz (esse deve ser o objetivo do esporte para mim). Falta pouco. Vou tirar ferias do atletismo no dia 19. Um mês sem aparecer naquela pista, um mês sem levantar um peso. Daí eu vou avaliar se continuo se realmente não posso viver sem atletismo ou se largo e começo a estudar música.
Faltei na aula de literatura brasileira VI. Como disse, estou velho e decidi que só vou fazer o que eu quero.
Por incrível que pareça ele respondeu. Com aquele “vamos marcar”, mas disse “baby”. Bem, vamos ver se esse milagre de fato acontece. Daí eu arrumo um deus para colocar uma moeda no altar, ok?
Não, não ligaram. Os alemães. Mas vão ligar. Para dizer sim ou não, mas vão. E já me acalmei dizendo a mim mesmo que não cabe a mim quando vão ligar e o que vão dizer.
É sempre bom esperar o pior.
Em tudo.


Dez de agosto, quinta.

“Não faço revival de Mutantes nem morta! (a não ser por uma boa grana)” (Rita Lee).
Vou agora assinar a minha rescisão e pegar a minha carteira de trabalho na Little Jakarta e não piso lá nunca mais (a não ser por uma boa grana). Ainda tive a grata surpresa de encontrar o Bruninho, o Bruninho; e comer doze chocolatinhos artesanais dos que eu comia após o almoço.

Ao pensar nos seus dois olhos mágicos e no que você faz, querido mestrando em química, eu começo a realmente entender o BDSM. Nunca fui tão submisso, nunca sofri tanto.

Bem provavelmente vou tirar dois dias de descanso antes das competições de sábado e domingo (eu pretendia fazer musculação de peito e ombros hoje). Duvido que eu consiga fazer, visto que comprei um litro de uma bela cerveja alemã.

“O Tapete”. Pensei até em começar um romance com esse nome. Esse nome, para me ajudar a segurar a barra da falta do homem e de ter que, temporariamente voltar para casa da minha mãe de novo. Ter um objetivo de ter uma casa para poder comprar um belo tapete para colocar no meio da sala e sabe para quê? Para colocar um vestido e cantar gritando, loucaço, com a cabeça cheia de pó e álcool a música “Trem azul” da Elis Regina, com o sorriso na testa.


“Poema para três garotos e um gato”

Hoje plantei uma semente
Que vai crescer
Ou não
Com meus braços
Que são 2
Que são 2
Para você
Seus números
Seu louro
Seu estúpido;
Eu lanço dardo com o direito
A despeito de você
Hoje eu perdi um olho e
A despeito de você dizer ei man
Eu te digo amem
E não há até logo
Do crucificado com fogo
Da cinza que fica
E da catatonia;
Você me prende aqui
Há oito anos agora
Com oito quilos
Para pegar da areia
O que você põe no pote.

Hoje plantei uma semente
Que vai crescer
Ou não
Com meus olhos
Que são 2
Que são 2
Para você
Suas células
Seu sweet heart
Seu estúpido;
Hoje eu perdi uma perna e
Você já encontrou
Onde você pôs o seu não?
Não é com o meu leite
Que você vai crescer, baby
Thank you, sweet heart;
Eu sei o que você fez com gatos
Quando criança
Mas eu não sou um deles
Agora.

Hoje plantei uma semente
Que vai crescer
Ou não
Com minhas pernas
Que são 2
Que são 2
Passei a tarde
Com gelo na bonita perna
Bonita, vê agora?
Seu desajeitado
Seu lindo
Seu estúpido;
Uma semente de um café
Para começar de novo
Depois de quatro anos agora
Eu perdi meu braço e
Há outros hobbies..;
Mas eu estou aqui, aqui
Com meu mutismo
Não seletivo
Não te troquei pelos telhados
Estou aqui
Com você.

(Hugo Guimarães)


Onze de agosto, sexta.

“I belong, a long way from here…” é o que Sheryl Crow canta enquanto eu tiro pele morta, escamação dos meus ouvidos.
Não, eu não estou preocupado com a competição de amanhã.
Apesar disso, eu não estou tomando 2mg de risperidona ao invés de 1mg, de acordo com a recomendação do psiquiatra na consulta do último dia quatro. Ele disse que a risperidona te deixa “mais lento”. Como estou em um período de competições importantes que me preparei o semestre inteiro para estar, eu não posso ficar “mais lento”. Como salário, eu passei boa parte da noite passada arquitetando o suicídio antes de pegar no sono. O médico aumentou a dose da risperidona justamente para diminuir os meus pensamentos suicidas. De qualquer forma eu vou aumentar a dose no dia dezenove como o médico disse. Dia dezenove é o dia da quarta etapa do TUNA, a última competição do meu primeiro ciclo de 2017. Prevejo férias com muita droga, droga em excesso para o cérebro, álcool e sono.

O garoto da primeira estrofe, do longo poema acima, decidi que quero um dominador novo. Vou ficar a semana que vem de castigo sem vê-lo nenhum dia e, na próxima vou tentar tirar doze palavras dele ao invés de seis.


Doze de agosto, sábado.



É difícil falar sobre hoje, agora que é noite.
Fui logo cedo competir na terceira etapa do campeonato paulista universitário de atletismo no centro paraolímpico brasileiro (instalações novíssimas e de excelente qualidade). Era para ser um dia especial, minha primeira competição pela seleção da USP, mas não foi. A garota da medicina chegou atrasada com os uniformes e por sorte eu tinha uma regata da FFLCH na mochila, senão sequer teria competido. A minha prova, e de dois meninos da medicina começaram cedo, no mesmo horário. A despeito do atraso, a menina chegou e foi levar uniformes para os meninos da medicina que estavam no corredor de salto, mas não foi levar para mim que estava lançando dardo. O treinador não compareceu por compromissos pessoais. A prova? Hum, lancei 37,88m, o que é minha melhor marca universitária até hoje e me coloca entre os cinco melhores lançadores de dardo da USP. Feliz só por isso. Essa etapa foi muito mais difícil que a anterior, com a marca que fiz hoje eu teria ganhado a medalha de prata da série ouro naquela ocasião. Dessa vez terminei em décimo lugar, veja os resultados: https://drive.google.com/file/d/0B-2EhDVRDmi5Qi1XTXRjcmNMNE0/view  Eu iria competir o salto triplo de tarde. Fui para a arquibancada perguntar para o pessoal da seleção (todos da medicina) onde estava o uniforme e uma bicha disse “ah, está em uma sacola por aí...” tipo “foda-se”. Eles me ignoram o tempo todo, como seu eu não devesse dirigir a palavra a nenhum deles só por que eram da medicina e eu não. Honestamente, pensei que a seleção fosse uma coisa mais séria. Antes do salto triplo, eu já me incomodava com o fato de ter que competir com os atletas federados da Unip e da Unisantana, que saltam quinze metros enquanto eu planejava saltar doze. A petulância que eles demonstravam já na arquibancada me incomodou a ponto de eu fingir uma dor no joelho e dizer ao treinador por whatsapp que eu estava indo embora. Miscreation descansa na santa paz, não quis e não quero incomoda-lo.
Ao chegar em casa vi que ainda dava tempo de ir até o paulista máster arremessar peso. Tomei uma cerveja e fui. Arremessei 7,53m o peso de 7,26kg. Não foi ruim considerando que não treino essa prova. Porém com essa marca, eu teria pego a medalha de bronze no ano passado, mas esse ano o nível aumentou muito e eu precisava arremessar nove metros para ganhar uma medalha. Fui embora antes da prova acabar, depois vi que terminei em sexto lugar. Ao voltar do mcdonald’s pensei que hoje não era mesmo um dia para eu ganhar uma medalha. Tem dia que não é pra ser, é preciso lidar com isso. Pensei em me aposentar no atletismo enquanto comia aquele hambúrguer horrível que está conversando comigo até agora. Tive tantas vezes esse pensamento esse ano que até perdi a conta. É a situação em que me encontro: é difícil ser rejeitado pelos diferentes de mim e pelos iguais a mim. Ou talvez ninguém seja igual a mim e eu devo mesmo me isolar, pensei ao ver minha gata em casa. Pensei em me aposentar amanhã, quando vou ganhar duas medalhas no paulista máster, no salto triplo e no lançamento do dardo. Seria lindo, terminar no mesmo lugar onde comecei em 2006, naquela pista sagrada e decadente do Ibirapuera. Porém agora á noite eu pensei na Darya Klishina. Darya é uma imagem da resistência, única representante do atletismo russo na olimpíada do ano passado, tendo de competir com uma bandeira neutra. Ela treina nos Estados Unidos e é controlada por uma agência antidoping confiável, por isso ela pode competir. Mesmo assim, eu penso que ela deve encontrar resistência das outras atletas, da torcida, do próprio país, de todo mundo, só por ser russa e querer exercer o direito de competir. Darya foi vice-campeã mundial há dias atrás no campeonato mundial de Londres, que ainda está sendo disputado. Ela fez um salto em distância de sete metros cravados (o que ela não fazia desde 2013) e subiu no pódio com sua bandeira neutra.
Esporte é resistência.
Pensei que deve ser resistência para mim também. Que devo ir ao TUNA daqui a uma semana, aturar o próprio pessoal da FFLCH torcendo o nariz pra mim (isso se não tentarem me impedir de competir), o pessoal da POLI rindo de mim por dentro e o pessoal da ECA rindo de mim por fora e mesmo assim estar lá competindo, resistindo, com uma atitude positivista.
Viver é resistência, aliás.   


Quatorze de agosto, segunda.








video


Ainda estou de ressaca de ontem. De tudo o que aconteceu e dos três litros de cerveja para comemorar e relaxar. Foi tudo lindo domingo no paulista máster de atletismo. Tudo deu mais do que certo. A primeira surpresa, logo quando eu me aquecia para o salto triplo foi a presença da minha querida amiga Camila, esse ano somamos onze anos de amizade. Ela que filmou o esse salto triplo que você vê acima. Isso me deu uma motivação para competir melhor, já que eu tinha torcida, e isso é raro. Mesmo saltando com uma “tábua de impulsão móvel” (nunca tinha visto aquilo na vida), eu consegui acertar as corridas e os saltos saíram. Escolhi a tábua de nove metros devido ao baixo nível na competição e consegui um resultado de 11,78m (o que é razoavelmente bom para um salto da tabua de nove), o que foi suficiente para a medalha de ouro. Guardei os doze metros para o TUNA sábado que vem ;)
O calor estava muito intenso e eu fui já mentalmente cansado para a prova do lançamento do dardo que começou debaixo do sol das 13h30. As pernas ainda estavam um pouco pesadas do triplo, que foi ás 10h30. Vi que só tinham quatro competidores na minha categoria e que eu não tinha que fazer muito esforço para ganhar uma medalha. Quando fiz meu primeiro lançamento a pouco mais de trinta e seis metros, pensei “vou parar, já ganhei a medalha mesmo”. Daí eu pensei em seguida “bom, e melhor ficar torrando no sol lançando do que ficar torrando no sol parado, não?” E eu me conheço, se vou fazer qualquer coisa, quero fazer bem. Daí no terceiro lançamento veio a surpresa: 40,36m (o resultado saiu porque fiz o deslocamento de pernas mais rasante ever e soltei o braço no lançamento com mais força ever). Eu sabia que eu podia, mas fiquei de fato surpreso. Mais uma medalha de ouro e se eu não tivesse feito o meu melhor, teria ficado com a medalha de prata, pois o atleta da Ferroviária que ficou em segundo lançou 38,80m. A vitória foi mais saborosa porque era notável que ele era um atleta mais experiente que eu na prova e no atletismo (além de fisicamente bem mais forte e mais alto). Mas ao contrário dele, que ficou reclamando que o dardo era ruim e velho a prova inteira, eu apenas lancei. Eu adoro dardo velho, tenho a impressão que eles andam mais hehe
Um pouco bêbado em casa, ainda tive tempo de reclamar dos atletas da medicina para o treinador da seleção da USP e de ter uma DR com a minha mãe sobre a minha cabecinha problemática, e acho que DR foi boa.
Agora são 14:42 da segunda-feira e eu já tenho de estar com o sorriso da miss Venezuela preparado para a minha decisiva entrevista final com os alemães que acontecerá essa semana.


Quinze de julho, terça.

Ontem tive uma das raras oportunidades de vestir minha camisa cor mostarda e minha gravata borboleta. Fui ao lançamento do livro novo do Santiago Nazarian, “Neve negra”. Depois da longa fila, comum em seus lançamentos, eu disse pra mim mesmo que não ia cometer a gafe de chama-lo de querido ou abraça-lo, porque o Santiago que eu conheci anos atrás não gostava desse tipo de coisa, nem em seus lançamentos. Ao me deparar com ele, sorri, disse oi, mas não estendi a mão e nem esbocei o abraço, apenas permaneci sorrindo. Para minha surpresa, ele mesmo me abraçou e comentou em seguida: “Te vi outro dia no metrô, mas não sabia se falava com você, não sabia se ainda éramos amigos”. Eu disse “que bobagem, você devia ter falado comigo”. Ele ainda me parabenizou pelas medalhas que ganhei no domingo, foi muito fofo. Só fiquei um pouco embasbacado pelo comentário dele. Eu sempre quis tê-lo como amigo, mas ele sempre pareceu “evitar” essa amizade, especialmente depois de um breve desentendimento que tivemos, depois do lançamento do meu livro “O estranho mundo” em que eu fiz um comentário em um post dele no facebook me vitimizando pela minha condição de autor “fracassado”. Ele entendeu que eu o estava responsabilizando por aquilo de alguma forma e foi até rude comigo no inbox, disse que o que podia fazer por mim fez, e que sou o tipo de gente que “só sabe sugar as pessoas”. Lembro que fiquei bem magoado com aquilo, mas não parei de admira-lo e apoia-lo pois ele foi muito importante na minha carreira de escritor, foi decisivo para a publicação do meu segundo livro, fez uma excelente orelha para ele, foi ao meu lançamento, etc. Eu não dei certo porque não era para dar, mas longe de ser “culpa” dele e muito menos do Marcelino, que me ajudou tanto quanto. Lembro que depois do lançamento do estranho mundo eu passei um inbox para o Marcelino reclamando da distribuição do livro, reclamando de tudo. Ele nunca mais falou comigo. Acho que agora é um momento de redenção. Agora eu consigo perceber qual é o meu lugar na literatura contemporânea brasileira e qual é o lugar de autores com o Santiago e do Marcelino por exemplo. Eles deram certo, levantam a nossa bandeira, seguram a nossa barra por aí, nos “representam”, a nós os sobreviventes da literatura brasileira contemporânea. E se há alguém “dos nossos” que ainda lança livro por grandes editoras, em lançamentos cheios, é mais do que meu dever prestigia-lo. E outra coisa que me surpreendeu: honestamente, eu esperava um livro quadrado e comercial, mas não é o que parece ao ler o primeiro capítulo e a dar uma olhada por cima no miolo. Parece mais um livro de arte do que um livro comercial, o que é uma grata surpresa. Lerei até o final e comentarei por aqui.

Depois fui ao cinema. A Sofia Coppola refilmou o “The beguiled” do Clint Eastwood (que tenho em VHS na minha coleção e é um filme que gosto muito). Sofia contou com nada menos que Nicole Kidman e Kirsten Dunst no elenco. As expectativas eram enormes. Bem, a refilmagem é quase linearmente igual ao do Clint com a observação de que Sofia quis dar um olhar feminino ao filme; ou seja, se no original do Clint, as mulheres eram francamente as vilãs do filme, colocadas como “monstros” praticamente, aqui elas parecem mais vítimas, vítimas do amor romântico (O melancólico final é um dos principais retratos dessa visão). Pelo menos foi essa a sensação. Desnecessário falar da direção impecável de sempre, do talento da Sofia, do esforço. Dei quatro estrelas e vim para casa dormir.


Dezesseis de julho, quarta.

Querido diário,
Esse é um longo post de diários sobre a mediocridade da vida e o caminho tortuoso que me levaram até as minhas stroopwafels.
Eu apenas te disse feliz aniversário e te desejei tudo de bom. Eu já estava me readaptando a sua ausência. Daí você me responde com três emojis dando beijinho com coração e me faz passar a tarde sonhando acordado com você no sofá da minha mãe.
Fui para a casa da minha mãe ontem buscar um pouco de conforto. Pretendia dormir. Se os alemães não ligam, os americanos ligam e marcam: estive hoje em uma entrevista para uma multinacional americana de eletrônicos. A primeira entrevista foi boa, creio que fui bem, mas o fato é que a preocupação por conseguir um novo trabalho cessou. O que eu realmente quero é ir embora dessa casa de bruxas e isso vai acontecer de um jeito ou de outro.
Hoje chove muito e eu vou ter que fazer meu treino de dardo para o TUNA embaixo do velódromo. Se tiver apenas chuviscando de noite, talvez eu lance um pouco.
Não vou á aula.


Dezessete de julho, quinta.

“E tudo o que ofereço é meu calor, meu endereço...” – são 15h43 e ouvindo Angela ro ro só escrevo essa hora porque aconteceu um alien, um Hiroshima, um Chernobyl ontem. Como bom submisso que sou, durante meu último treino de dardo para o TUNA, passei uma mensagem ao mestrando em química oferecendo-lhe uma visita de meia hora. E não é que ele aceitou? Wtf? Se não fosse surpresa o suficiente me pegar ontem á noite percorrendo aquela rua do arquivo da USP em direção a casa dele, a visita não durou meia hora. Eu queria que durasse para sempre, claro, mas acabou durando a noite inteira. Estava frio, ele estava com tosse e a conchinha devia estar gostosa. Quando eu ia dizer que precisava vir embora (eu não precisava, claro) ele disse “mais cinco minutos”, daí ele começou a roncar e assim permaneceu até ás 09h15 de hoje. Coitadinho, deu pra perceber o quanto ele estava cansado. Não deve ser fácil estar no mestrado, trabalhar o dia todo naquele laboratório. Eu que empurro minha graduação com a barriga não tenho ideia de como é. Mas voltando ao assunto, realmente surpreso por vê-lo, tê-lo de novo nem que seja por uma noite. Pensei que ele só tinha voltado a falar comigo porque ele não consegue evitar em ser tão doce, que ele iria enrolar e enrolar, que nunca mais nos veríamos. É, mais uma vez eu estava errado. “Como sempre você está errado, Hugo” era o que sempre dizia o meu ex-namorado.
O que quero da vida agora? Vê-lo de novo? E depois? De novo e de novo? Vou sempre ter a dúvida se haverá o “de novo”? Sim, eu devo ser o maior dos pessimistas. Porém, ao voltar da casa dele aproveitei a felicidade para passar no Kentucky Fried Chicken, passar na livraria cultura e comprar finalmente o DVD do “Audition”, clássico de terror do Takashi Mike, que absurdamente eu ainda não vi (eu que sou um colecionador de filmes de terror). Meus próximos objetivos agora são: sair de casa nessa chuva e nesse frio para treinar salto triplo hoje, vê-lo de novo, competir bem o salto triplo e lançamento do dardo no TUNA este sábado, conseguir um emprego novo até o fim deste mês e se conseguir, passar um fim de semana na praia.


Dezoito de julho, sexta

Eu não consegui descer para a USP ontem para fazer o meu treino de salto triplo. Eu estava muito triste. Eu sei por que, mas não quero dizer. O máximo que pude fazer pelas minhas pernas foi escorregar na calçada ao ir para o mercado comprar cerveja. Sim, um pouco de álcool para potencializar o efeito do remédio para dormir, para relaxar um pouco. Consegui lavar minhas camisas para usar nas minhas entrevistas de trabalho na semana que vem. Não consegui jantar. Fiquei comendo Elma chips com Heineken ouvindo o “Bachelor nº2” da Aimee Mann que, eu não lembrava que era tão bom. Consegui dormir cedo assim. Fui dormir com a cueca preta que vesti anteontem do lado do meu travesseiro, para ficar cheirando ela, que ainda está com o cheiro do mestrando em química.
Vou me sair bem amanhã e tudo bem se eu não me sair. Ganhei minhas medalhas no estadual master, garanti minha convocação para a seleção da USP do ano que vem no lançamento do dardo. O que vier amanhã é lucro, é só para fechar bem meu 1º ciclo de 2017 e começar a gozar as minhas duas semanas de férias.
Preciso sair hoje para sacar o FGTS que a little Jakarta depositou para mim, para pegar a receita fria de sibutramina para a minha sobrinha, para ir á aula de literatura brasileira VI.
Antes, vou dormir por uma hora, após ter feito minha primeira refeição do dia, como tornei hábito.


Dezenove de julho, sábado.



Depois de anos, a minha gata tomou um banho ontem.



Bobo. Apenas bobo pelo que aconteceu hoje. Eu tenho uma medalha do TUNA, a mais doce das minhas stroopwafels até agora. Tenho e com uma grande marca. Ganhei derrotando o melhor saltador da faculdade de medicina da USP, derrotando todos os saltadores da escola politécnica (hoje foi o meu dia de rir de vocês, mas como um autêntico gentleman que sou eu não o fiz), com um salto de 12,50m que me faz o quarto melhor triplista da USP este ano. Bobo, apenas bobo.
Eu esperava saltar 11,67m para entrar no ranking dos 10 primeiros da USP, pensava que era possível porém difícil ultrapassar os doze metros e percebi o quanto eu subestimo a mim mesmo, o quanto eu sou adversário de mim mesmo. Tão bobo que nem fiquei para lançar o dardo, que seria ás 15h00. It was you, Darling – acho que a mágica noite de quarta-feira me renovou, me deu forças para esse feito.
Agora vou tirar merecidas duas semanas de férias.
Desculpe te desapontar se você esperava um final triste, mas já houve tristeza o bastante por aqui não?




XOXO