21 de jun de 2018

PENAS


I hear you’re losing weight again
Mary jane

Desde que eu deixei o atletismo para viver a base de estimulantes, me acostumei a comer pouco. Meus músculos diminuíram drasticamente, e meu rosto. Comecei a fumar. Toda vez que vou fumar um cigarro de box amarelo, eu me sinto deliciosamente tonto. Os estimulantes têm me mantido acordado para jogar do celular, é minha vida for a trabalhar em uma multinacional nove horas por dia.




You lost your place in line again
What a pity

É uma pena que os estimulantes custam tão caro, é uma pena que eu me sinta amargamente desconfortável no meu emprego. Todos esses chineses olham como se não gostassem de mim. É uma pena que eu não consigo persuadir meu namorado a não fumar dentro do novo quarto na casa nova que não é nossa. É uma pena que a gata esteja presa dentro de um quarto sem janelas, mas que tem um banheiro só para nós; é um problema que a gata tem que resolver com ela mesma. Ela é uma gata, ela é boa nisso, a ter que se acostumar com lugares cada vez menores e mais fechados. É uma pena que os estimulantes acabam com a minha libido e então por quê meu namorado ainda está aqui? Será que sabemos o que é o amor? É uma pena que não tenho amado a mim mesmo.

Deixei o atletismo cinco meses atrás por questões de paixão para viver uma vida sem paixão nenhuma. Vícios não tem a ver com paixão, nem relacionamentos.

***

Um escritor morto volta a vida:
Fui convidado para uma mesa lgbt [ah desculpe, enquanto escrevia esse texto fui interrompido por um distribuidor que vende nossos cabos de fibra ótica e que quer dar um treinamento dos nossos produtos para seus clientes]. Bem, lá vamos nós de novo: fui convidado para uma mesa lgbt dentro do festival mixbrasil deste ano (o mesmo que estive na época do lançamento do meu livro “O Estranho mundo” lá em 2013), estarei em uma mesa dedicada a escritores gays homens (haverá uma mesa dedicada a escritoras lésbicas e uma outra dedicada a escritorxs trans) [ah desculpa, tive de interromper esse texto de novo porque tive de colher assinatura do departamento fiscal para um documento que é um numerário de despesas de uma importação de 300km de cabos de fibra ótica para um grande cliente de telecomunicações], falando nisso, você precisa prestar mais atenção com o seu horário, Hugo. Dormi demais ontem e minha gerente disse que essa empresa não aceita gente trabalhando desse jeito.

Alexandre Rabelo, que conheci essa semana e que já passou uma noite com o meu namorado, que pequeno mundo, me convidou para o evento. Ele foi muito legal comigo, disse que vai ainda tentar conversar com seu editor para dar uma atenção especial para os originais do meu inédito livro “Igor na chuva”.

Terminei meu projeto para o proAC para publicar esse mesmo livro. O proAC me deu dez mil reais para publicar o meu livro “O Tiro de um milhão de anos” lá em 2015. [desculpe interromper esse texto de novo, mas estou um pouco nervoso e vou descer quinze andares para uma rápida fumada]. Bem, depois de fumar eu posso dizer que estou dez por cento menos nervosa (estou sem estimulantes hoje). Será que meu namorado conseguiu colocar as roupas na máquina? Estamos na nova casa já dez dias e ainda não conseguimos lavar a roupa porque a casa só tem uma máquina para as doze pessoas que moram lá. Estou nervoso o suficiente para terminar esse texto agora.

XOXO


---------------


“Pities/Feathers”

I hear you’re losing weight again
Mary jane

Since I left athletics to live a life based up stimulants, I got used to eat no much. My muscles drastically reduced, my face. I started to smoke. Every time I go to pull smoke on a new yellow package smoke, I feel deliciously dizzy. The stimulants have kept me awake to play cell phone games, that´s my life besides work in an international company for nine hours a day.

You lost your place in line again
What a pity

It´s a shame that stimulants cost so high, it´s a shame that I feel bitterly uncomfortable at my job. All those Chinese they look at me as they don’t like me. It´s a shame that I can’t persuade my boyfriend to not smoke into our new room into a house that is not ours. It´s a shame that my cat is stuck inside a room with no windows, but we have a bathroom just for us, it´s a problem that the cat must to solve to herself. She´s a cat, she’s good in that, in having to get used to smaller places all the time. It’s a shame that stimulants slow down my libido and then why my boyfriend is still here? May be do we know what love is? It’s a shame that I been not loved myself.

I left athletics five months ago due a passion matter to live a life with no passion at all. Addictions are not about passion, neither a relationship.

***

A dead writer comes back to life:
I was invited to a lgbt [oh I’m sorry during writing it I was just interrupted by a distributor who sells our fiber cables who wants to get a training about our products to then inform to his clients] well, here we go again: I was invited to a lgbt event inside the mixbrasil festival (which I been before while publishing my book “the strange world” back in 2013), I’ll be in a night dedicated to gay men writers (there will be a night dedicated to lesbian writers and a third to transgender writers) [Oh sorry, I had to interrupt this text again because I had to take a signature from the fiscal department girl to a document that is a pre payment request to import 300km of fiber cable to a big telecommunication company] remembering that, you must pay attention to your work time, hugo. I slept too much yesterday and my manager told me that this company do not accept people working that way.

Alexander Rabelo, who I knew this week and passed a night with my boyfriend, what a small world, invited me to the event. He was very nice to me, he said he will try to talk to his editor to give a special attention to my new book originals “Igor in the rain”.

I finished my project to proAC to publish this same book. proAC gave me 10.000 to publish my book “A million year dash” back in 2015. [sorry to interrupt this text again, I’m a little nervous and I’ll go down fifteen floors to a quick smoke]. Well after smoke I can say that I’m about ten percent less nervous (I don’t have stimulants today). May my boyfriend have a chance to make our laundry? We´re in a new house for ten days and we still had no chance to do laundry because the house has just one laundry machine for twelve persons who lives there. I’m nervous enough to finish this text now.

XOXO

6 de jun de 2018

CAUSAS


"Causas"
Eu posso evitar o infarto do miocárdio atacando e/ou enfraquecendo a causa / tenho feito bem / sou homem bom bonzinho com uma saúde de um cavalo / quatro anos levantando 120kg nos ombros para então agachar / Eu posso evitar o divórcio atacando e/ou enfraquecendo o motivo / ele age estranho ás noites, me assombra, não o que ele faz a mim, mas a ele mesmo / um mês é uma tragédia / todo mês / Eu posso evitar a bancarrota atacando e/ou enfraquecendo a causa / mas não / que nem uma criança mimada: não / eu quero manter os vícios caros  / até que me perco / isso me assombra mais do que qualquer comportamento estranho ás noites / Eu posso evitar a morte da arte atacando e/ou enfraquecendo a causa/ uma vez artista sempre artista / o que está impresso, está impresso, não há redenção que / e também o que foi filmado / eu posso dividir o passado e futuro e então chegar no mesmo ponto / eu pela primeira vez recusei um convite para cinema e o diretor disse apenas ´ok´ / I não posso evitar a vida assim como não posso evitar a morte / se você não fitá-los eles o fitarão / ambos.
XOXO


“Causes”
I can avoid the myocardial infarction by attacking and/or weakening the cause/ I been doing well / I´m a good good man with a horse health / four years lifting 120kg in my shoulder and then squatting / I can avoid the divorce by attacking and/or weakening the reason/ he acts strange at nights, haunts me, not what he does to me but what he does to himself / a month is a tragedy / every month / I can avoid the bankrupt by attacking and/or weakening the cause/  but I do not / just like a spoiled child / I want to keep the expensive addictions / until I lose myself / that haunts me like any kind of weird behavior at night / I can avoid the death of art by attacking and/or weakening the cause / once artist always artist / what is printed is printed there’s no use try to redeem it / and also what is filmed / I can share the past and the future and then go to the same point / I rejected a invitation for cinema for the first time and director says just ‘ok’ / I can´t avoid life just like I can’t avoid death / if you don’t face it, it will face you / both.
XOXO

31 de mai de 2018

PICKLES


Três de maio.
Faz quase um ano desde que escrevi “Maydays”, também um diário online, nesse mesmo blog. Maydays era um estranho passeio entre paixão não correspondida, rejeição por uma equipe de atletismo e desemprego.
Agora, um ano depois, tenho um namoro de quatro meses, um doce garoto que eu gosto o bastante para não me deixar louco e há um contraste interessante entre ele e eu: ele é feliz e eu sou triste mas. Desde que tenho estado com ele, não tenho desejo de suicídio, mas abandonei o atletismo e parei de escrever. Agora é só nós dois e a neve e talvez isso não seja ruim. Tenho um emprego. Trabalho em uma multinacional chinesa que me paga bem, uma vez por mês, mas bem, e minha vida está reduzida a trabalhar lá e no meu namorado.
Eu poderia continuar a treinar atletismo, mas a paixão acabou, acho que ganhei tudo o que eu merecia naquela cena universitária, nos quatro anos que treinei aquilo. Agora é tempo de passar adiante, de fazer outras coisas. Mesmo se é só meu trabalho, meu namorado e a neve sobre nós.
Nesse momento, acabei de chegar do trabalho, não tenho muito tempo de escrever por lá. Muito trabalho. Só comi dois pedaços de pão e alguns biscoitos no almoço e amanhã passarei o dia sem comer porque é o dia do meu pagamento e tenho planos melhores do que comer.

Quarto de maio.
A coisa mais esquisita é que não ando esquisito. Estou fumando regularmente porque meu namorado fuma. Durante a semana o cigarro me ajuda a dormir. Hoje não preciso me preocupar com comida porque tive um bom café da manhã, então posso passar o dia bem acordado. Hoje é sexta-feira. Meu namorado está me induzindo a sair. Quero ficar em casa, acho. Sempre quero ficar em casa. Acabei de terminar meu horário de almoço que dura meia hora fora de uma hora e meia que os chineses me dão. Quero acumular banco de horas. Não posso escrever aqui tão confortavelmente porque vendi um livro para um dos chineses que trabalha aqui. Ele apareceu na cozinha e pediu para eu assinar uma cópia do meu “O Tiro de um milhão de anos” de 2015, então ele pesquisou sobre mim e ele sabe sobre mim e sobre meu blog. Não posso perder o emprego. Meu namorado também lê o blog, o que me faz com que eu escreva com as mãos atadas então talvez eu possa criar um bruxo adolescente se não posso me expressar sobre a realidade como eu costumava fazer. Sim, um adolescente bruxo.

Cinco de maio.
É difícil escrever aos fins de semana porque passo a maior parte dele na cama com meu namorado. Ficamos lá causando dano ás nossas saúdes, jogando cartas, damas ou qualquer outro jogo trivial; assistimos filmes e é cada vez mais difícil decidir sobre qual filme ver, difícil conversar quando a relação passar de quatro meses. Ainda não treinamos a rotina para que cada um de nós tenha sua rotina separada e não fazer as mesmas coisas juntos sempre. Tenho passado muito tempo sem escrever que temo que não sou mais um escritor. São cinco da tarde aqui na multinacional chinesa e depois de fazer algum mau á minha saúde, decidi escrever um pouco, já que nesse exato momento não tenho  nada para fazer (o que é raro), sempre tenho muito trabalho a fazer.



Dezoito de maio.
A internet caiu e meu coração quase parou. Hoje e ontem á noite respectivamente. Por causa da internet, lembrei desse diário. Não sei mais como escrever. Acho que vou ser demitido do trabalho por faltar. Meu coração quase parou por causa do meu estilo de vida. Preciso de um corte de cabelo urgente para me sentir mais jovem de novo. Quando voltei do almoço, eu reclamava sobre como vim parar nessa vida desgraçada de analista de logística, que falhei como escritor, falhei como atleta e vou passar o resto da vida preso em um escritório. Se eu for demitido, está ok. Terei quase sete mil reais até eu conseguir outro trabalho. Sou bom em entrevistas de emprego. Na verdade, meu objetivo ontem era apenas acordar hoje. Disse ao meu namorado “estou com medo de dormir e não acordar mais, e você sabe por que”. Temi que estava vendo a cara dele pela última vez, que eu estava vendo luz pela última vez, que eu estava deixando só meu amável namorado. Dei a ele o número da minha mãe antes de dormir. Apenas no caso. Mas acordei e minha preocupação era apenas chegar ao escritório ao invés de estar vivo. Hoje o plano é mudar o estilo de vida, dormir muito e acordar em um sábado.

Dezenove de maio.
Só estou aqui porque prometi a mim mesmo que escreveria hoje. Minha mudança de estilo de vida durou só um dia. nesse momento, pareço uma gema de ovo jogada em uma vasilha de farinha de trigo. Estou tremendo um pouco. Meu namorado está ouvindo música enquanto escrevo, mas eu não quero dizer a ele que isso prejudica a minha concentração, mesmo tremendo um pouco. Não posso acreditar que o sábado á noite e meu fim de semana está quase acabando. Logo será segunda-feira e eu vou conhecer um chinês que fará uma estranha visita ao meu trabalho. Ele é um funcionário de logística. Mesmo assim, minha gerente foi para casa ontem e não me demitiu. Não posso escrever e falar ao mesmo tempo. Tanto que essa escrita termina aqui.

Trinta de maio.
Eu sei eu sei que não tenho escrito. É porque não tenho tempo no meu trabalho. E também porque quando chego em casa só quero fumar, nada mais. Isso até meu namorado chegar em casa e eu me preparar para dormir enquanto ele não está com sono. Encontrei meu psiquiatra hoje por acaso e ele me disse o quão magro estou, faziam seis meses que eu não o via. Ele me lembrou que larguei o atletismo, que deixei de escrever e que meu estilo de vida deveria mudar. Disse que minhas roupas estavam largas, que minhas roupas estavam soturnas de pretas, olhe as suas roupas ele disse. A preocupação acabou, passei da barreira de três meses no emprego e não me demitiram como eu temia. Não fui jogar tênis nos dois últimos domingos como eu planejava. A mudança é a casa, a casa; vou me mudar domingo para um nova casa, também compartilhada, mas uma casa melhor, com um banheiro só para mim e meu namorado. Ele também passou da barreira dos três meses no emprego dele e agora de fato temos emprego, mesmo que nada mais que isso. Tenho planos de publicar meu livro “Igor na chuva” até 2020, não estou com pressa. Eu já esperei cinco anos para publicar um livro antes e eu sei que posso ganhar algum edital ou que algum editor independente goste do livro por mais que eu tema que minha carreira como escritor acabou. Vou acordar em uma nova casa na segunda-feira, isso é fresco. Espero mudar o estilo de vida também. Esses pickles depois de um hiato sem publicar no blog são um agridoce começo.

XOXO

22 de jan de 2018

O PROJETO 23


Vamos dizer que eu tenho 23. Sou independente. Eu trabalho. Faço faculdade. De letras. A melhor faculdade de letras da América Latina. Não sou pago no meu emprego para viver confortavelmente. Pior ainda se considerarmos o tipo de diversão que eu gosto. Mas é um bom dinheiro para alguém com 23, vamos dizer; mesmo eu estando vulnerável ao desemprego, ao suicídio e a prostituição, assim como qualquer homem jovem perdido em uma cidade gigante. Eu alugo um quarto em um bom bairro da cidade, o melhor da casa e eu tenho uma varanda só para mim e para minha gata que vem vivendo sob minha responsabilidade há nove anos. meus pais não gostam da gata, acho que é o mesmo em relação a mim, eles acham que vou afiar minhas unhas no sofá, no carpete, vou me pendurar na cortina da sala com minhas unhas, derrubar coisas... é como meus pais são comigo, eles não gostam de como sou, não gostam de mim. Não adianta dizer que gostam de mim do jeito deles, não faz sentido pra mim. Ou você me ama como sou ou não me ama, vocês só amam suas próprias expectativas sobre mim e quem vocês gostariam que um dia em me tornasse, é isso que vocês amam, não a mim.

Aos 23 a vida se mostra longa para mim. Tenho um longo caminho. Sou jovem o bastante para fazer coisas como publicar livros e sonhar em ser reconhecido, respeitado pela minha escrita. Sou jovem o bastante para voltar para a escola de música, para competir no atletismo universitário, para acreditar no amor, para acreditar no futuro. Então está tudo bem, Hugo. Então apenas respire fundo, tome um Rivotril, tome uma Risperidona e você vai ficar bem, sim pois você não tem coragem para se matar como sua mãe te disse, você é um tipo de covarde. Sim, mas pelo menos eu não acredito no papai Noel e eu não carrego uma bandeira que não é minha – “carregar uma bandeira que não é minha” é um dos meus projetos para 2018, sabia? Ignorar o natal, digo. Já que não sou cristão. Evitar agir como um hipócrita pelo menos um dia no ano, sabe? Talvez eu fique em casa sozinho no dia 24/12, talvez eu faça uma lasagna, compre algumas cervejas e algo para me distrair e assista um clássico de terror qualquer pela décima vez.

Você apenas volta assim do nada, alto Lucas? Esqueceu do que me disse no ano passado? Que seria melhor não nos pegarmos mais? Eu estava envolvido. Estava virando mais do que sexo para mim. E agora, mesmo sabendo que você feriu meus sentimentos outrora, você volta querendo: sexo; sexo em grupo, melhor dizendo e eu devo dizer que meu interesse por sexo tem sido baixo e eu não voltaria a te visitar nem que eu pudesse guardar meu dardo na sua casa, porque eu não estou mais envolvido, seu sexo não é suficiente para me fazer voltar a te visitar. Desculpe. Se você fosse o Antônio, eu poderia talvez, talvez pensar em reconsiderar, mas você não é ele.

Eu não consigo explicar para mim mesmo a sua súbita fascinação em relação a mim, mesmo eu ouvindo isso de você todos os dias. Você trocou a diversão que tinha com os outros garotos, muitos outros garotos para ficar comigo, com a diversão que eu tenho para oferecer, que eu sei que não é tanta quanto a que você tinha com os outros garotos. Estou tocado e confuso. Você só tem 13. Eu me sinto tão cansado e tenho medo de ferir seus sentimentos. Nossa relação apenas começou, mas eu não sei o que vai acontecer se eu dizer adeus, se vou sentir sua falta, quer saber? Faz muito tempo que eu não tinha ninguém para jogar cartas comigo em um sábado á noite. Apenas estou confuso. Mas é que eu sou jovem. “ele passou a virada do ano com você”, “Lúcifer poderia ter escolhido qualquer mulher do mundo para ser a mãe de seu filho e escolheu você!”



Eu ainda estou deslumbrado pelo que fiz no último agosto. Saltei 12,50m no salto triplo e ganhei uma medalha no TUNA, lancei 40 metros no estadual máster. Desde então tenho treinado menos e menos. Perdi músculos, perdi força e perdi motivação desde que consegui o que queria e continuar a competir seria apenas repetir o que já fiz. Bem, não é uma ideia tão ruim, eu sei. Estar saudável é bom, competir é bom, ter um belo corpo é bom e eu amo o atletismo. Devo voltar a treinar em fevereiro e espero estar em boas condições no meio do ano, ou desistir de novo e de novo como tenho feito desde agosto.

Será fácil ir treinar porque vou ter de estar na faculdade de qualquer forma, já que tenho duas ambições: me tornar um professor e falar grego como eu falo português.

XOXO

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ABROAD VERSION:

“The 23 project”

Let’s say I’m 23. I’m independent. I work. I do college. Language college. Best language course of Latin America. I don’t get paid at my job to be comfortable. Even worst if I consider the kind of diversion I like. But it’s a good money to someone at 23 let’s say, even I’m vulnerable to unemployment, suicide or prostitution, just like any young man lost in a giant town. I rent a room in a good village of town, the best room of a house and I have a porch only for me and for my cat, which have been living under my responsibility for nine years. My parents don’t like my cat guess it’s the same about me, they think I’ll scratch my nails in their sofa, in the carpet and hang my nails in the living room curtain, drop things… that’s why my parents are about me, they don’t like me the way I am, they don’t like me. It’s not worth they say they love me their way, it doesn’t make sense to me. Or you love who I am or you don’t love me, you just love your own expectations about me and who you wish I may someday become, that’s what you love, not me.

At 23, life shows itself long to me. I have a long path. I’m young enough to do a lot of things like publishing books and dream about recognizing, respect about my writing. I’m young enough to go back to music school, to compete at university track and field, to believe in love, to believe in future. Then it’s ok, Hugo. Then just take a deep breath, take Rivotril and you’ll be alright, take Risperidona and you’ll be alright, yes you’ll be because you have no courage to kill yourself as your mom told you, you’re such a coward. Yeah but at least I don’t believe in Santa Claus and I don’t carry a flag that it’s not mine – “to carry a flag that is not mine” is one of my projects for 2018, you know? Ignore Christmas, I mean. Since I’m not a Christian. Avoid to behave like a hypocrite at least a day in the year, you know? Maybe I’ll stay home alone at dec.25, cook a lasagna, drink some beers, buy something to distract me and maybe watch some classic horror film for the tenth time.

Are you just back now, tall Lucas? Did you forget what you told me last year? That it would be better if we don’t hang out anymore. I was involved. It was getting more than sex to me. And now, even knowing that you hurt my feelings once, you come back wanting: sex; group sex better saying and I should say that my interest for sex have been low and I wouldn’t back to visit you not even if I could keep my javelin in your house, because if I’m not involved anymore, your sex is not sufficient to make me visit you again. Sorry. If you were Antonio I could maybe, maybe think about considering it, but you’re not him.

I can’t explain to myself your suddenly fascination with me even I’m hearing it from you every day. You took away the fun you had to other boys, many other boys to stay with me, with the diversion I have to offer, which I know is not that much that you had with all the other boys. I’m flattered and confused. You’re only 13. I feel so tired and I’m afraid to hurt your feelings. This thing we been through has just began but I don’t know what will happen if I say good bye to you, If I’ll miss you, you know there was a long time I had not one to play jacks with me in a Saturday night. But I’m just confused. But I’m just young. He spent the new year with you. Satan could have chosen any woman of the world to be the mother of his son and chose you!

I’m still mesmerizing for what I did last august. I leapt a triple jump of 12.50m and earned a medal of TUNA, I threw 40 meters on the state master championship. Since then I have been training less and less. I lost muscles, I lost strength and I lost motivation since I got what I wanted and keeping on competing was just repeating what I already did. Well, this is not a bad idea, I know. Being healthy is good, competing is good, have a fit body is good and I love track and field. I’ll try to restart the training at February and try to be in good conditions of compete at the middle of the year, or just give up over and over, what I been done since august.

That will be easier go to train because I have to go to college and I have two ambitions: become a teacher and speaking Greek as I speak Portuguese.

XOXO


7 de dez de 2017

PRÉ-NATAL DE LÁGRIMAS

Eu tenho cento e setenta comprimidos de lítio cuidadosamente guardados. Olhei para eles e pensem em usá-los por causa de merda. A questão da sujeira toda no meu lençol branco também foi levada em consideração. Estudei um pouco a morte por lítio. Primeiro a diarreia e o vômito, depois os espasmos, rigidez nos músculos, urina em abundância para aí sim, o coma e a morte. Uma fralda geriátrica poderia facilitar as coisas ou apenas me jogar do nono andar da empresa onde trabalho no dia seguinte, o que seria mais rápido e mais fácil.

Merda porque eu mesmo disse que era merda. Mais ou menos dinheiro por um cargo em logística. Me peguei me desaguando em choro por uma empresa que me pagaria mais, mas me recusou por eu ter um diploma de tecnólogo e não de bacharelado. O 141 não atende o telefone. Eu não tinha ninguém para conversar. Pensei até em tentar conversar com o garoto que estou apaixonadinho (sim, outro garoto), mas seria patético demais. Eu disse a ele “Bom ter um crush platônico nesse momento, não?” e ele disse de volta:

Burn
The witch
The bitch
Is dead

 Sabe o que acaba com essa merda toda? Dois comprimidos de rivotril com risperidona e lamotrigina e deitar bem gostoso na cama. Ameniza qualquer situação. Sim, eu deixei o daimoku.

Guardado por seis meses em um arbusto, tomando chuva, coitadinho, meu dardo sumiu por dois dias. Cortaram um pedacinho dele com a serra elétrica ao contar os arbustos, mas ele sobreviveu até que bem. Durante a suspensão da FFLCH, cortaram um pedacinho meu com uma serra elétrica também, mas é tudo questão de arrumar um soldador agora. Sim, a FFLCH me aceitou de volta. Estou treinando com eles há uma semana. Tudo o que eu preciso é de um bom soldador agora.

A merda é que eu não me dediquei á carreira de logística como meus colegas de faculdade, que ganham muito mais dinheiro que eu hoje. Lá em 2003, eu achava que ser famoso pela minha arte era uma questão de tempo e aquela faculdade era só um meio de jogar voleibol com frequência e arrumar bastante confusão. Meu melhor amigo daquela época abriu uma transportadora, tem casa, casou-se, teve filho, virou um fascista e por isso cortou relações comigo. E eu moro em um quarto com varanda alugado na vila mariana tentando entender e aceitar que eu não fiquei famoso e agora não dá mais para voltar no tempo para consertar as coisas. Mas sabe do que eu preciso mesmo? É de um bom soldador.

Faltam poucos dias para o natal, mas esse ano não estou tão tocado assim. Estou há duas semanas no novo emprego. Quero ir embora de lá. Mereço mais. Tudo o que eu queria era colocar um twink em um saco vermelho e sair carregando ele nas costas até meu quarto alugado com varanda. Você sabe, é só de um bom soldador que eu preciso.



Vamos ler agora um trecho do meu romance inédito “Igor na Chuva”, que fala sobre o natal:

“Mais um segredo: eu adoro o natal. É uma luz, um sentimento claro, plácido que não vem de cristo, não se culpem por isso. Só coisa ruim vem de cristo, como sofrimento, dor, culpa e fome. Também não é só sobre comprar coisas o natal, pois evito o consumismo, especialmente no natal, eu só me encanto com as luzes, as luzes. O natal nunca será negro, cristo nunca será aceito como negro. As luzes são claras. Ninguém produz artigos de natal com personagens negros. O papai Noel é branco. Cachorros labradores poderiam puxar o trenó, mas renas brancas é que puxam. O cristianismo é uma das mais antigas demonstrações do racismo. Um enfeite artesanal sorriu pra mim e eu sorri de volta. [Deitei sobre a montanha de artigos por alguns minutos. Para descansar. Adoro descansar. Até mesmo por dez minutos após o café da manhã. Mesmo sabendo que vou me atrasar por isso, faço. Mas dessa vez não importa, sei que vou chegar á universidade, mas ás vezes o descanso me desmotiva. Queria ficar aqui. Estou sonhando. Sonhando com o cara alto e seu cachorro grande (será que levam cachorros para passear na chuva?), esperando ele vir me salvar, colocar a coleira em mim e me levar embora, e deixar o cachorro perdido por aí. Estou tentando falar sobre humanidade aqui, me arrastar com o belo homem de trinta e oito por uma corrente pelo bairro de Pinheiros acima. Conte. Conte quantos músculos visíveis você consegue ver no meu abdômen. Seis. Ao menos seis. Isso não conta? Você não acha que pareço sexy aqui quase nu jogado nessa montanha de artigos de natal, tão abandonado? Estou desesperado que meu corpo vai desabar em dois anos e é por isso que estou com tanta pressa. Eu. Por mim mesmo, eu me levaria embora, cuidaria de mim mesmo. Mas não posso. E eu deveria ter aprendido isso desde que eu tinha vinte e poucos anos: viver sozinho, ser sozinho. Vendo o céu chuvoso com essa nostalgia, pensei que não pude. digo mais uma vez: acho que o mundo não vai acabar agora. Essa chuva vai durar um longo, longo tempo]. Uma rena de vidro soprado não parecia estar sorrindo, mas eu estava. Eu odeio minha irmã. Então meu sorriso se contorceu para baixo tão rápido: comecei a chorar de novo. Só nós cinco. Minha mãe, meu pai, minha irmã eu e a minha sobrinha. Aquele silêncio. Aquela TV infernal. Aquela mesa quieta. Aquele abraço falso. Daí, nós ficaremos um ano inteiro sem nos ver. Minha mãe, esperta e perspicaz como sempre, nos evita há dois anos. Ela vai passar o natal com suas primas chatas e nos deixa sozinhos: eu, minha irmã e minha sobrinha. “Nossa família é chata” minha mãe disse há dois natais atrás.”


o influente escritor Santiago Nazarian fala do meu livro novo e de mais dois escritores neste post: http://santiagonazarian.blogspot.com.br/2017/10/tres-gays.html

XOXO

18 de nov de 2017

CIGARROS



esse texto podia começar na imagem acima, que explicava o estado da minha mente na noite de ontem, mas acho melhor começa-lo cronologicamente de trás pra frente. estou de volta com a Lebedeva para a minha casa na vila mariana, pois já consegui outro emprego. um agente logístico, uma multinacional alemã. não pagam bem. pagam o suficiente para o KFC, a Heineken, a academia, e a escola de música (se é que vou conseguir conciliar as duas coisas) e de vez em quando uma boa cocaína, de vez em quando um vinho do porto, mas não uma sauna de vez em quando, pois decidi me afastar dos homens por tempo indeterminado (adoraria que fosse pra sempre). Lucas, o alto Lucas disse que não quer mais me pegar. há um par de semanas ele chamou minha mãe de sogra... just like a man... daí fiquei na cama assim como Ana C, doente por causa de um amor homossexual mal sucedido. fiquei assim até ontem na casa da minha mãe questionando durante a forte chuva se eu ia escolher a vida ou se eu ia escolher a morte. a vida, era seguir ativo, fazendo coisas que gosto além de trabalhar, e a pós-vida ou a inércia, era só ir trabalhar e voltar pra casa pra chorar todo dia e não me suicidar para não desagradar o universo. a outra opção era a morte propriamente dita, me jogar de um lugar bem alto de uma vez, mas é tão difícil ter força de vontade e coragem para isso, sabe? se fosse fácil, eu já teria feito há muito tempo. ontem, eu dava minha vida como encerrada no assunto da mesa do café da tarde ainda na casa dos meus pais. ainda disse para a minha mãe: você faz orações para eu não dar certo com homem nenhum? (minha mãe diz me aceitar, mas ela mesmo disse que a homossexualidade nunca entrou direito na cabeça dela, ao se pegar criticando a Sandra de Sá por estar se casando com uma mulher).

vamos falar sobre a abreviação da vida de novo? dessa vez, pensei coisas novas. que se todos os suicidas vão "sofrer" juntos no mesmo lugar, então eu vou para o mesmo lugar que Ana C, Sylvia Plath e Kurt Cobain estão? não parece má ideia, não? por pior que esse lugar seja, deve estar cheio de gente legal com quem se possa conversar, ao contrário da vida que venho levando. segundo, não é possível afirmar nada disso, visto que nenhum ser morreu e voltou para dar notícias, para dizer se isso é mesmo verdade. porém se observarmos a crua natureza, veremos que realmente não é da natureza animal o suicídio. os animais vivem a vida até o final, caçando, se coçando, quietos. e se o homem não é um ser mais especial que qualquer animal, coisa que eu mesmo acredito, então essa é uma mensagem que os animais irracionais passam ao ser humano. Ou seja, é tudo muito confuso. o suicídio é uma questão muito, muito delicada, que venho tentando digerir há anos.

ao invés de seguir como Ana C na foto durante todo o final de semana por causa do Lucas, eu desci para a USP para lançar dardo e saí de lá com um lançamento de 37,67m com uma leve queima. incrível... três semanas parado e eu consigo fazer isso. creio que isso também tenha acontecido porque eu retomei hoje a minha técnica de corrida anterior (quatro passadas frontais e seis laterais), procurando manter o dardo alto, no nível da cabeça e no momento do lançamento, tentar mantê-lo perpendicular ao olho direito. Não parece fácil, mas com muita insistência, um dia acaba-se lançando quarenta metros, como fiz em agosto. volto a trabalhar no dia 23, o mesmo dia que termina minha suspensão da atlética da FFLCH. espero ter notícias boas em breve.

eu sei que você disse que era promíscuo, que nossa relação podia acabar de forma repentina, que eu mesmo passei o feriado da independência fazendo coisas como me prostituir, cheirar cocaína e ficar 24 horas sem comer, sei que nosso sexo não ia bem, mas eu tinha planos para melhora-lo, mas agora nada mais importa. ele disse adeus. e eu recusei a amizade, não preciso guardar meu dardo na casa dele, não preciso dele pra nada. já o bloqueei no facebook e no whatsapp e espero nunca mais ouvir falar dele. Assim como bloqueei o Antônio no facebook. ele me bloqueia no whatsapp e fica colocando coraçãozinho nas minhas postagens no facebook? ele que enfie no cu os coraçõezinhos dele. também espero nunca mais ouvir falar dele e. minha intenção de celibato começou bem. logo hoje, deixei um cara me masturbar no vestiário depois do treino...



bem, eu apenas deixei porque o tal cara tinha boas mãos, já tinha me masturbado outras vezes e só fiz porque era bom, não estava "quebrando" meu celibato. já excluí minhas contas nos aplicativos de pegação, por exemplo. aliás, homens são como cigarros, eles estão por toda parte e se eu nunca precisei de cigarros, então por que preciso de homens? é só uma comparação de vícios. 

XOXO

9 de nov de 2017

QUARENTA DIAS

Faz quatro dias que minha mãe me buscou em casa para passar uns dias com ela, até que eu consiga um emprego novo. por mais que a casa seja grande, eu e meu pai não conseguimos dividir bem o espaço dela, então fico o dia todo preso no meu pequeno quarto, sem tv, sem música, minha gata Lebedeva veio comigo. eu poderia aproveitar a ociosidade para fazer coisas como ler ou ver filmes como o Lucas disse, mas o período de extrema apatia que eu ainda estou me recuperando me faz apenas olhar para as paredes e pensar muito no futuro, sobre a vida e sobre a morte. ás vezes rola um sonic youth ou um sugarcubes no meu iphone, mas a maioria do tempo é absoluto silêncio. parecem horas sabáticas e os quatro dias parecem já quarenta. 

ontem á tarde na mesa do café, estávamos eu, minha mãe, meu pai e minha sobrinha. sabe tinta de cabelo? se duas pessoas que você gosta muito dizem que uma determinada tinta de cabelo é boa, você não vai acabar usando? vai fazer porque confia nas pessoas e porque aquela tinta vai te trazer algum benefício, certo? então você acredita na tinta, por causa das pessoas que você gosta, e que são importantes para você. daí eu falei rapidamente sobre as teorias de nietzsche, de que só a terra é real, que o ser humano não é mais especial que nenhum animal e que nós criamos as religiões para tentar entender coisas que não devem ser entendidas. minha mãe me corrigiu dizendo que o budismo (que ela segue e que minha sobrinha também, recentemente) é uma filosofia, não uma religião. ao indagar a minha sobrinha sobre a origem do budismo, ela não soube explicar. mas lembra da tinta de cabelo? se minha sobrinha e minha mãe me amam e estão dizendo que praticar o daimoku é bom pra mim, por quê eu não posso adotar isso e acreditar que isso de fato possa me fazer bem?

começamos ontem. eu e minha mãe em seu grande gohonzon, começamos a meditar o "nam myoho renge kyo". ela disse que cada uma das mãos, uma representa uma energia boa e a outra a ruim e que juntas são mais fortes, por isso se junta as mãos na hora da meditação. não aguentei fazer por uma hora como minha mãe, que o pratica há muitos anos. ela entendeu e me deixou sair antes. ficou feliz que fiz a meditação com ela por uns minutos. desde então quando saio de um lugar, digo o mantra três vezes, e quando chego em segurança, digo mais três vezes. quanto mais dizer o mantra melhor, diz a filosofia. assim ele te traz energia. hoje, ao repetirmos, ela disse que no meio do gohonzon, naquelas letras japonesas, tem um olho, e que ele representa o equilíbrio, e é bom recitar o mantra olhando para ele. pretendo continuar. quando você começa a usar a tinta e vê que ela é boa, você não pára mais. essa é a ideia.

elsewhere 1:
não sei bem dizer se meu coração é fraco ou é sensível demais. estou começando a gostar do Lucas porque ele me fez falta nesses últimos dois dias. mesmo assim fiquei feliz com uma frase ontem e uma palavra hoje dele. estou com medo de cometer o mesmo erro de sempre: o de não entender que essas relações são baseadas na contemplação, não na possessão.

elsewhere 2:
talvez o daimoku já tenha trazido a primeira coisa boa: tenho uma entrevista de emprego segunda-feira em uma indústria química. vou lá fazer entrevista com o RH e testes de inglês e espanhol. até estudei um pouquinho de espanhol hoje. conseguir outro emprego logo é essencial para manter a minha liberdade e a minha independência.

elsewhere 3:
há dez dias estou sem treinar atletismo. me pus de castigo. determinei que não volto a treinar até conseguir outro emprego, o que deve coincidir com o fim da minha suspensão da atlética da FFLCH, que será no próximo dia 23. daí saberei se me aceitarão de volta para a equipe ou não. ficarei feliz se me aceitarem e quero que me aceitem, embora eu tenha fortemente questionado se quero continuar com o atletismo ou não. a volta para a equipe certamente dará um ânimo, mas se não me aceitarem, dificilmente continuarei. é muito ruim treinar sozinho. eu poderia continuar sozinho e competir em 2018 pela seleção da USP (é certo que serei convocado em duas provas) e as competições no master, mas treinar sozinho, de fato é muito ruim. posso até cogitar contratar um treinador para me acompanhar uma hora por semana e me dar instruções, posso fazer esse investimento, mas essa condição de estar "expulso" da equipe da FFLCH me deixaria bastante incomodado e desmotivado. Vi os resultados do BIFFE 2017 e eu teria facilmente saído de lá com duas medalhas novamente. A Letícia Machado, autora da denúncia que causou minha expulsão da equipe e minha suspensão da atlética não competiu. A Letícia Lucato, a co-autora da denúncia competiu de forma lamentável. A equipe masculina foi campeã geral, eles não precisam de mim e na realidade eu não preciso deles, mas por que não ficarmos juntos? por que não unirmos as forças?

elsewhere 4:
estou profundamente arrependido de ter chamado minha ex-gerente de "evanjeca" no post anterior. ela sempre foi muito generosa comigo até eu ter surtado há duas semanas. discriminação religiosa não é ok assim como Judith Butler é ok.

XOXO